Animais

A maior marcha nacional de sempre pelos animais foi há um ano. IRA não esqueceu o dia

O grupo assumiu a data da maior manifestação de sempre da causa animal em Portugal como Dia Nacional dos Direitos dos Animais.
Milhares nas ruas.

Fez no domingo um ano que milhares de portugueses percorreram as ruas de Lisboa para defender os direitos dos animais, numa altura em que a lei de 2014 que criminaliza os maus-tratos aos animais de companhia corria o risco de ser considerada inconstitucional. O grupo Intervenção e Resgate Animal (IRA), que organizou a marcha, não deixou passar a data em branco, assinalando-a nas redes sociais com várias fotos – e com muitos seguidores a dizerem “eu estive lá”.

“Faz hoje um ano que Portugal viu e sentiu a maior manifestação em defesa dos animais. O dia em que todos se mobilizaram e uniram para dar voz àqueles que não a têm”, sublinha o IRA no post publicado no Facebook.

Na publicação, o grupo de defesa animal recorda que aquele foi “o dia em que o Presidente da República e o Ministro do Ambiente se posicionaram publicamente pela justiça e pela legislação que protege os animais”.

Foi também, sublinham, “o dia em que Portugal acordou e viu a força da união do povo e de todas as associações que realmente os defendem, a marcharem pelos direitos inegáveis e inegociáveis dos animais”.

IRA assume data para celebração nacional

“Feliz dia 21 de janeiro, o Dia Nacional dos Direitos dos Animais”, remata o IRA, assumindo assim esta data como potencial marco para ser considerada como tal. Recorde-se que existe já o Dia Internacional dos Direitos dos Animais, comemorado a 10 de dezembro, e também o Dia Mundial do Animal – que se celebra a 4 de outubro e que, em Portugal, é também tido como o Dia Nacional do Médico Veterinário.

Atendendo a que não existe um dia nacional para os direitos dos animais, o IRA assume-o assim como 21 de janeiro por ter sido a data que mais pessoas juntou nas ruas de Lisboa, em defesa dos animais – estiveram presentes ativistas de todo o País e de todos os quadrantes da sociedade, com os cálculos a rondarem os 40 mil participantes.

Desde então, pouca coisa mudou na criminalização dos maus-tratos, mas uma boa notícia é que o Tribunal Constitucional poderá não deixar cair a lei de 2024, validando-a – como muitos esperam.

Outra conquista importante na causa animal deu-se a 20 de abril do ano passado, quando – na reunião da comissão de revisão constitucional –, os partidos concordaram em consagrar na Constituição a promoção do bem-estar animal para se tentar ultrapassar algumas decisões do Tribunal Constitucional sobre o tema.

Percorra a galeria para recordar a manifestação de 21 de janeiro de 2023.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT