Animais

Este é um amor português. Conheça a tartaruga e a gata que não se largam

São uma dupla improvável. Vivem em Sesimbra e são unha com carne.

De vez em quando ouvimos falar de amizades improváveis no reino animal. São histórias de ternura e amor entre espécies diferentes e que ninguém diria que poderiam acontecer. Mas podem.

É o caso, por exemplo, da chita Rozi e da cadela Daisy, do Chihuahua Timon e do porco Pumba, ou da Rotweiler Ava e da ema Blue. Mas em Portugal também encontramos amores que, à partida, nunca imaginaríamos possíveis. Que o digam a Maria e a Mini.

A gata Maria, perto de fazer 18 anos, e a tartaruga Mini, já com 15, não se largam. Onde uma está, por norma a outra está também. A paixão assolapada veio da Mini – que, apesar de também gostar dos outros dois gatos da casa, “tem um amor incrível pela Maria”, conta à PiT a dona de ambas, Maria Rodrigues.

Na família de Maria Rodrigues, de 68 anos, todos gostam de animais. A gata foi levada para casa em bebé pelo seu filho Pedro, falecido há 16 anos, o que torna a ligação a esta felina ainda mais especial.

“Ela é um amor e é ainda mais especial por ter sido ele a levá-la. O Pedro levava todos para casa. Os 17 cães que tive foi ele que os levou quase todos”, diz a comerciante de antiguidades, residente em Sesimbra, no distrito de Setúbal.

Já a tartaruga Mini foi Maria Rodrigues que ofereceu à sua filha Patrícia há cerca de 15 anos. “Era muito pequenina, daí o nome. A minha filha depois foi trabalhar para o Algarve, mas levava-a sempre. Entretanto houve um dia que, para não andar sempre a mudá-la, me pediu para eu ficar com ela e cá ficou”, explica.

Ficou e com tudo a que tem direito. “Só come camarão e ovo – e frango, quando está bem disposta”, diz a dona com uma gargalhada.

Um amor para a vida

Foi nessa altura que a Mini se apaixonou pela gata. E nunca mais a largou. “É um amor muito grande entre as duas. Se a Maria mia mais alto ou mais intensamente, a tartaruga sai a correr de qualquer parte da casa onde esteja para ver o que se passa com a amiga”, conta Maria Rodrigues.


“Dizem que as tartarugas andam devagar, mas, quando é para ir ter com a Maria, a Mini liga o turbo e larga a correr. E quando não apanha zona de tapete, só se houve ‘tac, tac, tac’”, sublinha.

E como é na hora de deitar? As cadelas da casa, Amélia e Pipoca (carinhosamente tratada por Pi), dormem na cama – uma com Maria Rodrigues e a outra com o seu filho Tiago. Já os três gatos e a tartaruga têm um berçário onde ficam à noite. E logo pela manhã o cenário é sempre o mesmo.

“Quando acordo e entro no berçário, lá está a tartaruga a dormir na cama da Maria. A Mini também tem uma boa ligação com os outros gatos, mas é pela Maria que tem uma paixão. E a Maria também gosta muito dela. São animais tão diferentes –  às vezes pergunto-me como é que é possível”. Mas é. E a relação está para durar.

Percorra a galeria para ver fotos destas duas amigas improváveis.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT