Animais

Após meses, Jax foi adotado. E fez questão de se despedir de todos os voluntários

Num vídeo partilhado pelo espaço, o cão cumprimenta o novo "papá" e depois dá beijinhos em todos os cuidadores que lá estão.
Jax encontrou o sue final feliz.

Jax não teve uma vida fácil. O cão de um ano foi entregue ao Regina Humane Society, um abrigo de animais no Canadá, em péssimas condições e cheio de fome. O seu estado, segundo Bill Thorn, diretor do espaço, indicava que estava sozinho há muito tempo. “Quando chegou, garantimos que tivesse toda a comida de que precisava”, disse ao The Dodo, um site de animais.

Hoje, Jax vive feliz com o novo tutor e deixou os traumas para trás. Depois de vários meses a viver na associação, foi finalmente adotado. Mas não deixou de mostrar a gratidão e o amor pelas suas cuidadoras. Num vídeo partilhado pelo abrigo, o patudo faz questão de dar beijinhos e aproximar-se de cada uma delas antes de ir para os braços do novo “papá”.

“Foi uma tarde emotiva quando todos os funcionários se reuniram para se despedir do nosso miúdo Jax”, escreveu o abrigo. “Ele formou um vínculo perfeito com o seu novo pai e era a hora de ir para casa. Depois de cumprimentar o seu adotante, deu a volta na sala e despediu-se de todos que lá estavam. Foi um momento incrivelmente querido para terminar a sua longa estadia no abrigo. Tenha uma ótima vida, Jax”, partilhou. 

Esteve meses à espera de um lar

Quando chegou subnutrido ao abrigo, Jax recuperou-se rapidamente e depois dos exames não terem indicado qualquer doença, foi para adoção. No entanto, poucas semanas depois foi diagnosticado com pneumonia e as esperanças de encontrar um lar tiveram de ser adiadas. O cão deu início ao tratamento e quando já estava a 100 por cento, ficou novamente disponível para adoção. Mas os problemas não acabaram por aí.

Embora seja descrito como extremamente meigo, Jax costumava ladrar e mostrar os dentes quando as pessoas passavam em frente à sua box. Segundo o abrigo, o motivo era simples. “Não era agressivo com as pessoas, mas sim com o facto de ter uma barreira a impedi-lo de receber amor e atenção”, explicou.

E embora as primeiras impressões possam enganar, o patudo acabou por ser rejeitado várias e várias vezes por causa da reatividade que demonstrava. Diariamente, era com o coração partido que as voluntárias o recebiam, mas nunca deixavam de o dar o que mais gostava: mimos e beijinhos — também não desistiam dos apelos nas redes sociais.

Para evitar o stress do filhote, as cuidadoras começaram a retirá-lo da box e deixá-lo na receção com os restantes voluntários. “Ele tornou-se no favorito da equipa. Todos sabíamos o quão meigo ele era, mas precisávamos colocá-lo num sítio onde ele pudesse mostrar isso”, sublinhou Bill.

O diretor partilhou que os cães costumam ficar entre dez a 12 dias no abrigo antes de serem adotados — Jax esteve lá “durante meses”. Porém, a cada dia que se passava, a equipa apaixonava-se mais pelo patudo.

Ainda assim, mesmo depois de ter todos os custos da sua adoção patrocinados por um amante da causa animal, o patudo continuou à espera de um lar. Até que tudo mudou quando um homem com experiência em cães de porte grande visitou o abrigo e foi conquistado pelo gigante.

“Quando descobrimos que ele estava a ir para casa, reunimo-nos na receção para dizer adeus”, recordou Bill. “Mas não fazíamos ideia de que ele pararia em cada membro da equipa ao longo do caminho para se despedir”, acrescentou. Jax já está no novo lar e não poderia estar mais feliz. Depois de um primeiro ano difícil, o patudo irá ter uma vida cheia de mimos e amor.

Carregue na galeria para conhecer Jax.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT