Animais

Associação de Santo Tirso precisa de voluntários responsáveis. “Há muito desleixo”

A ASAAST está desanimada com a falta de empenho de quem surge de forma apenas passageira. “Gera instabilidade”.
Cães da ASAAST adoram praia.

O voluntariado é um compromisso que deve ser levado a sério. É esta a mensagem da Associação dos Amigos dos Animais de Santo Tirso (ASAAST), que tem visto surgirem voluntários que rapidamente acabam por desaparecer. Os animais dão trabalho, sim, mas retribuem com um amor que compensa tudo. E se não for para levar o compromisso a sério, “mais vale não aparecerem”, diz Rita Sousa, voluntária desde 2006 nesta associação do distrito do Porto.

“Temos dezenas de pedidos diários e precisamos muito de voluntários. Mas é preciso que assumam com seriedade aquilo a que se propõem”, sublinha Rita à PiT. “Muitos só nos dão trabalho, pois ensinamos-lhes tudo o que devem fazer, apresentamos-lhes os animais todos, e depois desaparecem”, lamenta.

A “instabilidade gerada pelos voluntários passageiros” é enorme, aponta Rita. Tanto para os voluntários que ali estão há muitos anos, e que ficam a contar com uma ajuda que deixa de vir, como para os próprios animais”. “A falta de capacidade de assumirem um compromisso deixa-nos muito desanimados”, diz.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por ASAAST (@asaastirso)


“Os nossos cães precisam de voluntários que tratem deles semana após semana, mês após mês, ano após ano. Não procuramos voluntários estudantes que possam ajudar apenas nas férias. Também não procuramos voluntários que tenham muita vontade hoje, mas na próxima semana troquem o tratamento dos cães por uma ida à praia ou à piscina”, frisa Rita.

Voluntários devem honrar o compromisso

E há mais. Porque se trata de um compromisso sério. “Também não procuramos voluntários que precisem de boleia ou que tenham limitações de horários. O voluntariado inicia-se as 8h de sábado/domingo e termina na hora de almoço ou inicia-se pelas 15/16h, dependendo do calor, e termina quando todos os cães estiverem tratados. Existem quatro turnos no fim de semana, o voluntário deverá ter disponibilidade num deles”.

Para a associação, só assim faz sentido. “Procuramos voluntários que queiram assumir um compromisso. Que estejam disponíveis e que se queiram envolver/conhecer/amar os nosso patudos. Receber novos voluntários, ensinar as rotinas, as regras, dar a conhecer cada um dos nossos cães, chamar a atenção para os traços de personalidade de cada um deles… tudo isso exige dos voluntários mais antigos tempo e paciência – pelo que pedimos a quem se inscreve como voluntário que considere que está a embarcar num projeto a longo prazo”.

Se quiser conhecer melhor o trabalho da ASAAST e os animais que ali residem e que aguardam por um lar, não perca a oportunidade de os visitar – e talvez possa assumir um compromisso sério como voluntário. Percorra a galeria para conhecer alguns voluntários e animais do abrigo.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT