Animais

Buldogues Franceses roubados chegam a valer 28 mil euros. Roubos aumentam nos EUA

A popularidade dos Frenchies é cada vez maior. E as autoridades têm recebido muitas queixas de vítimas. Lady Gaga foi uma delas.
É uma raça muito cobiçada.

O Bulldog Francês, conhecido como Frenchie, é uma raça que encanta muitos amantes de cães pelo mundo fora. Apesar de ser um cão que pode ter mais problemas de saúde, por ser braquicefálico (o chamado focinho achatado) — característica que tem sido alvo de muitos estudos e até proibições —, o certo é que a sua popularidade é gigantesca.

Em Portugal, comprar um Frenchie a um criador certificado, com LOP (ou seja, inscrito no Livro de Origens Português), por norma não fica por menos de mil euros. Os criadores justificam o valor — que pode chegar a rondar os dois mil euros, muito dependendo também da cor — com os gastos que têm com os exames (como raios X e ecografias), vacinas (só seguem para casa do comprador após a terceira vacina), desparasitações, cesariana da mãe, LOP (inscrição da ninhada, mais inscrição de cada cachorro), microchip, resguardos, etc.

Nos grupos portugueses de apaixonados pela raça pode ler-se que é de desconfiar quando se encontra um Frenchie à venda por 300 euros, por exemplo. “É a diferença entre criadores e criadeiros”, alertam muitos, sublinhando que um cruzamento sem conhecimentos pode significar uma ninhada de animais com problemas de saúde — é o que apelidam de “o barato sai caro” devido ao que se gasta depois no veterinário e sem garantias de que o cachorro sobrevive.

Mas se em Portugal e na maioria da Europa é possível comprar um Frenchie por valores inferiores a dois mil euros, fora deste continente já não é bem assim. Tal como o nome da raça sugere, este é um cão com origem em França (mas com antepassados britânicos e uma variação nos EUA) e, por isso, com maior número de criadores entre os europeus.

Acontece que o Frenchie também é adorado nos Estados Unidos. E lá o preço é muito diferente, chegando facilmente às dezenas de milhares de euros. Por isso mesmo, são também cães alvo de grande cobiça e o número de roubos tem aumentado fortemente — nos últimos anos, foram reportados muitos casos em zonas como Miami, Nova Iorque, Chicago e Houston, já para não falar em todo o Estado da Califórnia.

E não são assaltos “leves”, já que muitos Frenchies são roubados sob ameaça de arma. Os ladrões não querem uns dólares na carteira ou um relógio quando podem fugir com um cão ao colo que vale milhares. Foi o que sucedeu no ano passado, por exemplo, com os Frenchies da artista Lady Gaga.

Ryan Fischer, amigo de Lady Gaga e dog walker dos seus três Frenchies, foi alvejado — teve de ser hospitalizado, mas recuperou bem — ao tentar impedir que roubassem os cães. A Miss Maya conseguiu fugir dos ladrões, mas o Koji e o Gustav não tiveram a mesma sorte.

A cantora e atriz, que na altura estava em filmagens em Itália, ofereceu uma recompensa de meio milhão de dólares (474.300€) pelos seus dois cães — que foram entregues no dia seguinte por uma mulher que disse tê-los encontrado na rua.

Criadores andam armados

Muitos não têm a sorte de regressar a casa. Por isso, cada vez mais os seus donos os passeiam com cuidados redobrados. E o mesmo acontece com os criadores. Jaymar Del Rosario, um criador de Frenchies, contou ao “The New York Times” (NYT) que quando sai de casa para se encontrar com um comprador, há três coisas que leva sempre com ele: a documentação veterinária, uma saqueta de granulado para cachorros e a sua Glock 26.

Sim, a sua arma nunca fica esquecida. “Se não conhecer a zona, se não conhecer as pessoas, vou sempre com a minha arma”, contou Del Rosario ao jornal nova-iorquino enquanto mostrava o Cashew, um Bulldog Francês com seis meses e de uma nova variedade, a fluffy (peluda), que pode valer 30 mil dólares (28.400€) ou mais.

O NYT dá alguns exemplos de donos que ficaram sem os seus Frenchies, quase sempre sob ameaça de arma. É que, ao preço a que podem vender depois um cão destes, não estão mesmo para brincadeiras.

Com as suas orelhas arrebitadas, o bamboleio das pernas curtas ao andar e aquele olhar de quem diz “leva-me contigo”, o Bulldog Francês tornou-se a raça de excelência dos influencers, pop stars e atletas profissionais.

Como diz o “The New York Times”, além de companheiros leais nesta era do “trabalho em casa”, os Frenchies parecem estar sempre preparados para uma foto no Instagram.

O Bulldog Francês, recorde-se, é já a segunda raça canina mais popular nos Estados Unidos, logo a seguir ao Retriever do Labrador.

Percorra a galeria para conhecer melhor esta raça que encanta e apaixona cada vez mais pessoas.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->