Animais

Cadela de seis pernas já foi operada. Ariel está a recuperar e arrecadou 17 mil euros

Os veterinários conseguiram salvar todos os quatro membros, e tudo indica que a patuda vai aproveitar a vida normalmente.
Já está em casa.

É o momento que todos aguardavam. Quase quatro meses depois da história de Ariel, a cadela com seis pernas e duas vulvas, tornar-se viral, a Cocker Spaniel foi submetida a cirurgia mais importante da sua vida. E o melhor: todos os membros foram salvos, segundo avançou a BBC, graças aos médicos veterinários Aaron Lutchman e Ed Friend.

“Ela está ótima, recuperou-se e é uma cachorra feliz”, garantiu Aaron Lutchman ao canal britânico. “Esperamos que leve uma vida maravilhosa”, acrescentou. A notícia da cirurgia bem sucedida foi partilhada no sábado, 20 de janeiro, e a Cocker Spaniel já voltou para a família de acolhimento temporário, onde ficará a descansar pelos próximos “dez a 14 dias”.

“Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para agradecer a todos que fizeram parte da história e jornada de Ariel, cada mensagem, doação e votos de boa sorte foram muito apreciados”, agradeceu no Facebook a associação Greenacres Rescue, que desde o início tem ajudado a filhote.A generosidade do público não teve limites e, ao apoiar o nosso trabalho, garante que sempre poderemos estar presentes em casos como este”.

Desde que foi encontrada abandonada num supermercado, a 27 de setembro de 2023, a cadela recebeu mais de 17 mil euros em doações monetárias (vindas de todo o mundo) para ajudar nos custos e despesas médicas.

No início do mês de janeiro, uma das principais preocupações da associação era arrecadar os oito mil euros necessários para a cirurgia e futuros cuidados de Ariel. Contudo, a quantia foi rapidamente atingida graças aos seus admiradores.

A filhote, hoje com cerca de seis meses, foi encontrada por uma testemunha a 27 de setembro no parque de estacionamento da B&M, uma loja em Pembrokeshire. Sem saber o que fazer, a salvadora levou-a à Fenton Vets, uma clínica veterinária na região. Lá, Ariel foi analisada e foi descoberto que as duas pernas extras não eram a sua única anomalia — tinha ainda uma segunda vulva.

Desde outubro, está a viver numa FAT, e à medida em que cresceu, os dois membros extras entre as patas traseiras tornaram-se numa dificuldade. Em setembro, os veterinários tinham medo que a cirurgia principal levasse à amputação de mais do que um membro.

“A perna direita não tem tónus muscular [responsável por ativar os músculos], por isso, também pode ter de ser retirada”, explicou o fundador da associação, Mikey Lawlor, de 42 anos, na altura. No entanto, por sorte, não foi necessário. A segunda vulva também vai ser removida, mas só quando Ariel tiver idade suficiente para ser esterilizada.

A seguir, carregue na galeria para ver algumas fotografias do pequeno milagre.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT