Animais

A melhor amiga deste cão é uma raposa. Foram ambos resgatados e são inseparáveis

Foi amor à primeira vista. A dupla vive com a tutora, quatro raposas, um guaxinim, dois gambás e outros animais resgatados.
Um casal especial.

Não é um filme da Disney, mas podia muito bem ser.  Juniper é a raposa mais conhecida do mundo e partilha a casa com diversos outros animais resgatados: há cães, guaxinins, gambás, petauros-do-açúcar, cobras e outras espécies exóticas. Mas entre todos, é o cão Moose, um mix de Pastor-australiano com Malamute-do-Alaska, o seu favorito. E o sentimento é mútuo. A dupla é inseparável e não há quem consiga separá-la.

O primeiro a chegar foi Moose. O cão integrava uma ninhada abandonada numa clínica veterinária onde a tutora Jessica Cooker, de 31 anos, era voluntária. Após ser liberado para adoção, tornou-se o primeiro animal de companhia de Jessika, que na altura ainda era adolescente. “Ele foi a minha primeira companhia constante e sinto que crescemos juntos. Esteve ao meu lado para tudo e cuida de mim assim como cuido dele”, contou à revista “Animal Wellness”.

Em seguida, vieram alguns gatos e dois petauros-do-açúcar. E embora Moose estivesse acostumado com vários tipos de animais, quando Juniper chegou, a tutora sabia que a raposa seria especial na vida do cão. “Trouxe-a para casa quando ela tinha apenas cinco semanas. Juniper imediatamente correu até ele com o rabo a abanar e a chorar, e eles tornaram-se amigos instantaneamente”, recordou no Instagram.

Juniper nasceu em cativeiro e quando foi resgatada, estava destinada a indústria da moda. De acordo com a tutora, a raposa tem uma genética diferente dos da sua espécie e não consegue sobreviver sozinha no habitat natural. Criada desde pequena com Moose, o cão e raposa ficaram conhecidos como o “casal de conto de fadas”. Para encontrar um deles, basta seguir o outro.

Os restantes colegas de casa

Assim como Juniper, há Fig, Elmwood, Finch, Ferngully e Lark, outras raposas resgatadas por Jessika. Fig nasceu sem a pata direita e contraiu uma infeção que o deixou cego de um olho, mas tem a mesma energia que os “irmãos” da espécie. E apesar de todos viverem como animais domesticados, a tutora salienta que nem tudo é um mundo de maravilhas.

“As raposas não são como os cães”, frisou. “Embora possam apresentar algumas características semelhantes, não foram criadas para agradar as pessoas. São propensas a morder e têm um comportamento destrutivo. Exigem uma quantidade extensa de tempo e cuidado para levá-las ao ponto em que são até sociáveis. Juniper ocupa 90% do meu dia”. Para além da personalidade eufórica, Jessika diz que os animais não cheiram bem, e não há como mudar isto. “Elas também precisam de taurina, podem ficar cegas e sofrer convulsões”, adiciona.

Para além dos cães e das raposas, um dos mais novos membro da casa é Newton, um guaxinim. A sua chegada, porém, não foi nada fácil. Quando não estava a comer, precisava de brincadeiras de estimulação mental constantes. “Os guaxinins não são apenas pequenos génios, mas também são incrivelmente sociais em uma idade jovem, e rapidamente percebi que havia trago para casa uma criança peluda que continuaria sendo uma criança pelos próximos 10 a 15 anos”, disse no Instagram.

Hoje, com cerca de um ano, Newton já acostumou-se com a casa e com os restantes membros da família (até tem um quarto para chamar de seu). Diariamente, diverte-se com Moose e com os outros animais exóticos da casa, como Jam Jar e Mushroom, dois gambás. Para além destes, há ainda várias cobras e lagartos.

No Instagram, a página conhecida como “Juniper e Amigos” conta com cerca de 3 milhões de seguidores. No website oficial da família, pode ficar a conhecer os animais e até comprar T-shirts, hoodies, porta-chaves e um livro sobre a história da raposa.

No futuro, Jessika pretende abrir uma associação de resgate animal. No entanto, hoje em dia é “mãe solteira” de mais de 10 animais e não tem tempo para focar em outros projetos. Mas uma coisa é certa: felicidade não lhe falta.

Percorra a galeria para conhecer (quase) toda a família.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT