Animais

Morreu Paul, o gato mascote de uma estação de comboio há mais de uma década

Vivia com a família, mas desde bebé que visitava o espaço conhecido como a sua segunda casa. Tinha até camas e brinquedos espalhados.
Era uma verdadeira celebridade.

Paul, o famoso gato mascote da Liverpool South Parkway, uma estação ferroviária no distrito de Garston, em Liverpool, Inglaterra, morreu. A notícia foi avançada na página oficial do felino no passado domingo, 22 de janeiro.

“É com o coração pesado que partilho que o gato Paul atravessou a ponte do arco-íris. Eu sei que todos vocês sentirão a falta dele, assim como eu”, lê-se na publicação. O gato da raça Bengal foi batizado em homenagem ao ator e realizador norte-americano Paul Newman e, apesar de ter uma família, desde bebé que visitava a estação, que ficou conhecida como a sua “segunda casa”.

“Quero agradecer a todos pelas suas simpáticas condolências. Eu sei que o partilhei com várias pessoas e a sua perda é tanto delas quanto minha”, escreveu a sua tutora, Steff Hudson. Na manhã desta segunda-feira, 23 de janeiro, a Merseyrail, empresa de transportes responsável pela estação, também lamentou a morte de Paul.

Paul tinha cerca de 14 anos e foi avistado pela primeira vez na Liverpool South Parkway em 2010. Desde então, as suas visitas tornaram-se frequentes e o felino foi “adotado” como o mascote da estação pelos funcionários e todos que lá passavam. E apesar de ter um lar, ganhou vários brinquedos e camas que ficavam espalhados pelo espaço.

Ao longo dos anos, o patudo tornou-se uma verdadeira celebridade. Muitas vezes era visto a dormir em posições engraçadas e até mesmo sentado nos torniquetes a observar todos que validavam o passe. Além disso, visitava os restaurantes e cafés pertencentes a estação e saltava sempre para as mesas e cadeiras à espera de festas.

As aventuras de Paul

Conhecido como simpático e amigável, Paul também teve alguns dias menos bons. Em 2013, foi noticiado que teria mordido um dos seguranças da estação. Como resultado, viu a cama removida do espaço e foi, várias vezes, expulso pelos funcionários. Na altura, a Liverpool South Parkway disse que Paul não tinha sido banido, mas por causa do incidente já não estava a ser ‘convidado’ a entrar como era até então.

“Geralmente, ele é um gato muito amigável e popular entre os passageiros e funcionários. Mas obviamente não queremos que ele morda mais ninguém. Estamos a tentar impedir que ele entre. Contudo, não haverá uma proibição total”, disse a empresa ao jornal local “Liverpool ECHO” na altura.

Paul, porém, não se importou com o recado. O felino continuou a visitar a estação diariamente e na sua página de Facebook até fez uma brincadeira: “Entrei sorrateiramente e a simpática equipa da estação não está a perseguir-me”. Desde então, na última década, não causou mais problemas. Porém, foi protagonista de outras aventuras.

Em 2019, a equipa da Liverpool South Parkway deu ao gato o título de “gerente de relações públicas”. O felino tinha um cartão personalizado de funcionário e fazia jus ao cargo. Estava sempre a saltar para o colo dos passageiros e nos cafés e restaurantes fazia companhia a todos os que lá iam.

Mais recentemente, em abril de 2022, novamente tornou-se notícia após ficar preso no telhado de uma das linhas da estação. Um dos passageiros avistou o gato, que estava a “miar incansavelmente”, e partilhou uma fotografia no Twitter no fim do dia.

Na manhã seguinte, a empresa respondeu: “Isto não é uma brincadeira, Paul está preso na linha quatro e precisamos de ajuda para retirá-lo”. Mais tarde, as boas notícias: o Bengal foi salvo pelos funcionários e recebeu água e petiscos.

Pode ser homenageado em breve

Nos comentários da publicação na sua página oficial, foram várias as pessoas que lamentaram a sua morte. Muitas delas estão a pedir uma estátua ou um pequeno memorial para recordar Paul, estando dispostos a dar início a uma angariação de fundos para tal. Em breve, o felino poderá ser eternizado no espaço.

Por outro lado, até isto acontecer, vários passageiros estão a partilhar momentos únicos com Paul. “Aos 18 anos, eu era uma jovem assustada a viajar sozinha. Havia perdido o meu voo naquela manhã e vi-te enquanto chorava. Observei-te a dormir por um tempo e, quando acordaste, vieste direto a mim quase como se soubesse que eu precisava de alguém. És o melhor Paul, nunca me vou esquecer daquele dia nem de ti”, recordou Felicia Stuhán.

Já Harvey Holtom, partilhou: “Paul era icónico. Nunca vou esquecer como ele saltava para a nossa mesa quando estávamos a tomar o pequeno almoço antes de apanhar o comboio para Manchester. Ele adorava as festas e massagens na barriga que lhe fazíamos. Descanse em paz, querido Paul”.

Carregue na galeria para ver alguns momentos de Paul na estação nos últimos 13 anos.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->