Animais

Be My Friend já ajudou a dar uma nova vida a mais de mil patudos

O projeto inicia a 30 de abril uma tour pelo Alentejo, onde vai fotografar cerca de 300 cães em associações e canis.
A Guess está para adoção na UPPA.

João Azevedo aliou a arte da fotografia à sua vontade de ajudar cães em associações e canis, e criou um projeto que já permitiu a adoção de mais de mil patudos. O projecto Be My Friend nasceu em 2019 com o objetivo de fazer a diferença através da arte da fotografia e conseguir um lar para todos os cães fotografados, tentando captar nos retratos a essência de cada cão e gato.

Esta ideia “começou em 2014, com a vontade de fotografar animais numa associação”. “Já o fazia em estúdio, gostava muito do resultado e achei que poderia ajudar nas adoções se mostrasse os patudos de outra forma, fora do ambiente de canil. Tive uma primeira sessão fotográfica em 2015, que correu muito bem, foi um sucesso nas redes sociais e ajudou na adoção de alguns cães”, conta o mentor e fotógrafo da Be My Friend, João Azevedo, à Pets in Town.

Na altura, João não conseguiu dar continuidade ao projeto, mas, em 2019, voltou e decidiu criar a Be My Friend. A partir daí já foram feitas 70 sessões fotográficas em vários pontos do país. Foram fotografados 2049 cães e gatos. E, desses, 1105 foram adotados.

“Sabe muito bem perceber que as pessoas se deslocam pelo país para irem adotar. E, em alguns casos, até se deslocam do estrangeiro, como foi no caso da Baunilha”, revela João Azevedo.

O criador da Be My Friend conta que este projeto “tem sido uma experiência fantástica. Nem sempre é fácil conseguir tempo para as sessões fotográficas, para a edição, para as redes sociais e para o website, mas tudo vale a pena ao vermos as adoções acontecerem”.

Mas um projeto que envolve cães e fotografias enfrenta, como é óbvio, muitos desafios. “Os patudinhos raramente estão no mood para tirar fotos. Desde os mais medrosos, que só se querem esconder, aos mais brincalhões, que querem fazer tudo menos posar para a objetiva”, diz João, acrescentado que “muitos destes animais passaram por situações complicadas, a confiança para eles é um sentimento difícil e tudo o que é estranho cria desconforto. Mas, com paciência, conseguimos atingir o objetivo, as fotos assim o atestam”.

Atenção patudos do Alentejo, a Be My Friend está a chegar para vos fotografar

Desde o início do projeto, em 2019, a Be My Friend tem recebido muitos pedidos de ajuda de associações e canis do Alentejo. Mas devido a dificuldades logísticas a viagem até ao sul do país tem sido adiada. Até agora. A 30 de abril, a equipa da Be My Friend parte para a primeira Be My Friend Tour.

Durante uma semana, a Be My Friend vai percorrer, pelos menos, 13 associações e canis, do Alentejo e prevê fotografar 300 patudos. “Pelas minhas contas penso que iremos conseguir fotografar mais de 300. Depende também da ajuda que iremos encontrar. Quando temos muitos voluntários a ajudar, o processo é mais fluido. Teremos duas sessões fotográficas quase todos os dias e o tempo todo contado. Por isso, se numa das associações o processo for mais lento, fotografaremos menos animais”, antecipa João Azevedo.

A tour do Alentejo ainda não aconteceu e João revela que já tem “vontade de fazer outras”. “Há outras zonas do país, mais a Norte, que também ‘pedem’ uma tour pelas associações e canis. Mas temos de ir com calma. Esta tour servirá de test-drive”.

Conheça na fotogaleira alguns cães e gatos fotografados pela Be My Friend e que podem ser adotados no site do projecto.

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->