Animais

Projeto Besuguinho – o amor pela costura que ajuda os animais

Assunção Bento cria acessórios para, com as vendas, apoiar no tratamentos de animais de associações ou cuidadores individuais.
Selfie a descansar em cima da banana de catnip.

Assunção Bento tem 59 anos e o seu amor pelos animais vem desde cedo. Apesar de ter o seu emprego, o que lhe dá estabilidade financeira, há três anos começou a sentir necessidade de criar um projeto através do qual pudesse ajudar a pagar tratamentos de animais que estivessem a precisar. E foi assim que, em maio de 2019, nasceu o Besuguinho – um projeto solidário animal que funciona através da venda de produtos artesanais e cujas receitas revertem para quem mais necessita.

“O projeto Besuguinho nasce da vontade que tinha de ajudar a pagar alguns tratamentos de animais que estavam numa associação onde na altura eu era família de acolhimento temporário (FAT)”, conta Assunção à PiT.

Por questões de saúde do seu marido, Assunção Bento teve de deixar de ser FAT, pelo que passou a dedicar-se ao Besuguinho e ajudar, assim, de outra forma. “Eu precisava de fazer algo que pudesse vender e, com isso, ajudar alguns animais. É uma necessidade de ajudar”, explica.

O seu gosto pela costura e artesanato é uma paixão e um hobby – “para ganhar dinheiro nem por isso, porque em Portugal não dão valor ao trabalho manual” – e foi por aí que foi quando criou o projeto.

E é Assunção que está ao leme de todo o processo. “Sou eu que idealizo, costuro, compro materiais, mantenho as páginas de Facebook e Instagram, respondo aos pedidos, fotografo, etc.”, diz à PiT.

Além disso, conta com o apoio da prima Luísa: “ajuda-me a encher sardinhas e bananas e divulga o Besuguinho”. “E sempre que é necessário, ela acompanha-me, como já aconteceu com duas idas à SIC em 2020, quando o Besuguinho foi convidado duas vezes”.

Uma gata inspirou o nome do projeto

E de onde surge o nome do projeto? “De uma das gatas da minha filha”, conta-nos com um sorriso. “A gatinha Maria foi adotada já invisual e eu, carinhosamente, tratava-a por Maria Besuga. E é tão querida, tão pequenina, tão frágil (aos meus olhos), que, ao criar o projeto, dei-lhe o nome de Besuguinho em sua honra”.

“A minha filha adorou a ideia e inicialmente foi ela que criou a página do Facebook. Sendo informática, tratou-me da parte de design, logótipo etc.”, salienta Assunção. Depois disso, a mãe tomou as rédeas de todas as áreas.

E o balanço, até agora, é positivo. Mas Assunção gostava que fosse “um pouco melhor”. É que assim “podia ajudar mais animais”. De qualquer das formas, “a adesão é muito boa e as pessoas compram porque estão a ajudar uma causa”.

Os produtos mais vendáveis são os brinquedos com catnip para os gatos e os colares isabelinos para gatos – embora agora também estejam a começar a pedir para cães, diz a artesã, que adora o que faz. “Estou sempre à procura de novos artigos para pets e donas – elas compram mais – para ser um projeto apelativo”.

Nesse sentido, Assunção está já a preparar novos brinquedos com catnip para gatos e algumas novidades para os tempos muito próximos. Porque inovar ajuda a trazer mais pessoas, o que ajuda mais animais. E “assim que tenha mais tempo” é a estes novos brinquedos que se vai dedicar.

“Neste momento e até final de outubro tenho muito trabalho no meu emprego, o que me tira alguma ‘pica’ para costurar. Mas eu preciso. Costurar é uma terapia. Idealizar, procurar moldes ou fazer os moldes, testar, ajustar, testar até sair o projeto final”, conta.

“Tento ajudar quem mais precisa”

E como é que escolhe quem ajuda? “No pouco tempo que tenho para ver os feeds do Facebook, vou vendo alguns casos mais urgentes e tento saber por outras pessoas ligadas à causa animal a veracidade daquele apelo e entro em contacto”, explica Assunção. “Posso ajudar associações ou cuidadores individuais que têm animais em tratamento (PIF nos gatos, por exemplo, que é um tratamento longo, doloroso e muito caro)”.

E o apoio assume várias formas. “Posso ajudar com alguma verba consoante as vendas que faço, ou entregando brinquedos (sardinhas/bananas) a essas pessoas ou associações para venderem, com o valor a reverter para elas”, diz Assunção, cujas redes sociais se destinam apenas à causa animal.

“Sou uma pessoa simples, não sou de luxos. Mas sou uma apaixonada por animais. Tenho seis gatos e uma gata. Quase todos os meus animais fui eu que os resgatei da rua, vítimas de maus tratos ou de envenenamento”, diz a criadora deste projeto que tanto tem feito pelos animais que mais precisam.

As vendas do projeto Besuguinho destinam- se, assim, a ajudar animais em associações, cuidadores animais rua ou cuidadores particulares. “Não há exclusividade com A ou B. Vou ajudando consoante vou vendendo e consoante as situações aparecem”, explica, sublinhando que apenas retira o valor para os materiais. “Não lucro nada. Às vezes ainda financio o projeto”.

Quem faz compras no Besuguinho sabe que está a ajudar outros animais. É o caso do grupo minhoto Bernardo da Costa, que recentemente adotou três gatas e comprou ao Besuguinho uns brinquedos com catnip para ajudar outros animais que estejam a precisar.

Por isso, já sabe. Se está à procura de um presente especial para oferecer num aniversário, no Natal ou sem data marcada, espreite no Besuguinho e talvez encontre o que pretende. Vai ficar surpreendido com a diversidade de produtos.

Percorra a galeria para conhecer alguns dos produtos que pode adquirir no Besuguinho.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->