Animais

Satanás Pantera: o gato preto resgatado das ruas que se apaixonou pela praia

Conquistou mais de 120 mil seguidores em apenas dois meses. Tem uma energia inesgotável e só há um sítio onde a quer gastar.
Pantera tem seis meses.

Os inúmeros quilómetros de areia podem parecer o paraíso dos gatos. Mas a verdade é que a maioria dos felinos prefere manter a distância daquilo que para eles se assemelha a uma casa de banho gigante — com pessoas e o mar à frente. Satanás Pantera, porém, não é um gato qualquer. Resgatado das ruas em março, quando ainda era recém-nascido, apaixonou-se pela praia e não há quem o consiga tirar de lá.

“Sempre foi uma celebridade na praia”, começa por contar à PiT Brenno Mattos, o tutor e tatuador de 24 anos. A dupla vive em Recreio dos Bandeirantes, no estado do Rio de Janeiro, Brasil, e não há melhor sítio para o felino fazer o que mais gosta — até porque vive a poucos metros de várias praias.

“Muitas pessoas param para me perguntar como consegui habituá-lo aos passeios e à trela”, diz. “E agora que ele ficou famoso, também pedem fotos”.

Pantera tem apenas seis meses, mas já é uma estrela nas redes sociais. No TikTok, já são mais de 100 mil seguidores; no Instagram, ultrapassa os 22 mil.

Sempre que consegue, Brenno leva o companheiro para gastar todas as energias na praia. Lá, Pantera comporta-se como um cão: corre, salta, cava buracos e até fica a ver os desconhecidos a jogarem com raquetes, como se fosse um verdadeiro árbitro de quatro patas.

A história de amor do gato preto com os passeios na praia comçou quando o felino tinha apenas dois meses e Brenno resolveu apresentá-lo ao lado de fora da casa onde vive. “Habituei-o à rua, aos barulhos e, logo depois, à praia — que foi um lugar que ele adorou desde a primeira vez que lá fomos”, recorda o tutor.

A trela, porém, não foi assim tão fácil e “precisou de uma adaptação”. Ainda assim, foi mais rápido do que o tatuador esperava: “Numa semana, ele já estava acostumado, mas ainda demorou cerca de dois meses para aprender a andar comigo na rua. Só andava quando queria e tinha de levá-lo ao colo”.

Hoje, Pantera é um cão no corpo de um gato. Passeia de trela e não se importa com os movimentos nos arredores. “Está totalmente habituado aos barulhos”.

Pelo caminho, o patudo até faz alguns amigos. “Ele gosta de socializar com outros gatos mas com cães fica mais desconfiado”, diz Brenno, frisando que fica sempre por perto para evitar qualquer acidente. 

Por outro lado, não é só a personalidade extrovertida do felino que tem chamado a atenção dos seguidores. O nome, Satanás Preto, também tem dado o que falar — mas há uma explicação para isso.

“Ele sempre foi muito agitado e o nome Satanás vem disso”, diz-nos o tutor. “Está sempre a correr, a brincar, a morder com carinho e é muito meigo”.

Pantera está tão habituado a ir à praia que: “Se por algum motivo não conseguirmos ir, ele fica com muita energia acumulada e deita a casa abaixo”.

Carregue na galeria para ver alguns imagens de Santanás Pantera a passear pela praia.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT