Animais

Só para os mais vaidosos. Se o seu cão é um deles, estas coleiras são ideais

A C(ã)onvencido tem menos de um ano e a resistência e o estilo são os principais ingredientes.
Eles vão c(ã)onvencer você a comprar.

“Começou com um vídeo de Youtube”, brinca Milena de Villiers, uma arquiteta de 26 anos e responsável pela C(ã)onvencido, um projeto que nasceu em janeiro de 2022 com foco na criação de coleiras para cães.

A arquiteta “adora cães” e após aprender a arte, resolveu fazer duas coleiras para os patudos das suas amigas. “Fiz só por diversão e elas gostaram muito”, conta à PiT. Milena foi influenciada pela dupla a dar início ao projeto e começou a partilhar nas redes sociais. Quando percebeu, já tinha feito para mais amigos. O nome divertido foi, inclusive, ideia de um amigo. “Vem de convencido, um cão vaidoso”, explica.

Apesar de o negócio ser dedicado aos cães, Milena não é “mamã” de algum. No entanto, não é por falta de vontade. A arquiteta tem a consciência que o tempo que passa fora de casa a trabalhar não permite que dedique “a atenção e responsabilidade como deve ser” a um pet. “Mas ainda vou ter! Vou ter vários”, garante.

Por outro lado, o tempo livre que tem é todo para eles. Além de se focar no projeto, todos os domingos, a arquiteta passeia cães da Amiama, uma associação na Amadora que promove passeios para os patudos durante os fins de semana.

Ainda com vontade de fazer mais, atualmente, a C(ã)onvencido está a reverter 2€ de cada encomenda para diversas associações. “Elas fazem tanto pelos animais, que eu resolvi retribuir”, diz.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by c(ã)onvencido (@caonvencido)

São resistentes e fáceis de lavar

O material utilizado para as coleiras é o chamado paracord, fios de poliéster “entranhados e muito resistentes”. É utilizado, até mesmo, em cordas de paraquedas. Há diversos padrões para escolher e todos levam nomes de raças de cães. Há o Labrador, o Border Collie, o Daschshund, o Epagneul Breton, o Beagle e, claro, o Rafeiro, que não podia ficar de fora. E os clientes adoram.

“Às vezes as pessoas medem mal e a traça encurta… há sempre esse vai e vem”, conta a fundadora Milena De Villiers . No entanto, os feedbacks são “muito bons” e os clientes estão sempre “muito envolvidos” na sua criação. Milena pede para eles escolherem a cor e o padrão que desejam. Por vezes, alguns dizem que não “têm jeito” para tal e deixam todo o processo de criação nas mãos de Milena.

Para encomendas, a fundadora pede que os tutores meçam o tamanho do pescoço do cão ou das suas coleiras. Os valores variam entre 14€ e 36€, mediante ao padrão escolhido e tamanho da coleira. Caso o tutor opte por uma fivela tipo cinto, acresce o valor de 3.50€.

Percorra a galeria para conhecer os padrões da C(ã)onvencido.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->