Animais

Toko-san — o japonês que gastou uma fortuna para se transformar num cão

Pagou mais de 14 mil euros para ser um Collie. Conheça a sua história e a subcultura de peludos que é cada vez mais numerosa.
Sempre quis ser um cão e agora cumpriu o sonho.

“Decidi deixar de ser humano e tornar-me um Collie”. Foi este o anúncio feito por Toko-san, o japonês que está a dar que falar nas redes sociais e a criar um buzz enorme entre quem defende que devemos ser aquilo que quisermos e quem diz que isto é muito bizarro.

Toko-san diz ter realizado um sonho que tinha desde pequeno: converter-se num animal de quatro patas. E depois de gastar dois milhões de ienes — o equivalente a 14.380€, à taxa de câmbio atual — conseguiu. O homem escolheu ser um Rough Collie porque diz que o pelo longo disfarça melhor a sua figura humana. Além disso, é uma das suas raças preferidas.

A encomenda foi feita à empresa nipónica Zeppet, que cria efeitos de makeup, esculturas e fantasias para anúncios de TV, filmes e parques de diversões. Ao fim de 40 dias de trabalho, o fato estava pronto.

Toko-san, antes de se transformar num Collie.

Foi em abril que o “novo” Toko-san se deu a conhecer, tendo criado no dia 12 desse mês um canal no Youtube onde vai colocando vídeos que já contam com um total de 4,7 milhões de visualizações.

Nesse canal, que se chama “I want to be an animal” e que tem já 5,23 milhões de subscritores, o “Collie” pode ser visto a dizer adeus, a rebolar no chão, a abraçar peluches ou a fazer saltitar bolas de pingue-pongue numa raquete.

O primeiro vídeo, que é o da sua apresentação — já a vestir a pele do cão — tem mais de um milhão de visualizações.

Deitado sobre as quatro “patas”, vai virando com as mãos caninas algumas folhas onde diz quem é e ao que vai: “Olá, muito gosto em conhecer-vos. Tornei-me um Rough Collie porque queria ser um animal. A partir de agora, estou a pensar colocar vídeos ao meu ritmo. Digam nos comentários que tipos de vídeos gostariam de ver”. Na última folha pode ler-se: “se quiserem, subscrevam o nosso canal”. E termina a dizer adeus com as patas.

Este vídeo tornou-se viral assim que Toko-san apresentou ao mundo o seu alter ego. Ele agradece por realizar um sonho de há muito, mas há quem ache tudo isto perturbador e quem considere que ele pode ter alguma doença mental.

Quanto ao fato, propriamente dito, há quem o veja como realista e impressionante, mas outros acham-no pouco natural. Gostando-se ou não, tem suscitado muita curiosidade e agitado as plataformas sociais, tendo até já sido criada a criptomoeda Toko-san Inu.

250.000 pessoas “peludas” nos EUA

Muitas famílias têm cães como animais de companhia, que são vistos como amigos e membros do agregado familiar. No entanto, a maioria de nós nunca terá ouvido falar de alguém que quisesse transformar-se, verdadeiramente, num cão.

Mas essas pessoas existem. Poderão não levar tão “à letra” a vida de cão como Toko-san, a ponto de mandarem fazer um fato que lhes disfarce o corpo humano, mas vestem essa pele em casa e na rua e há até grupos de cães humanos que adoram dar umas passeatas e brincar. É o caso dos “patudos” britânicos Spot, Hexyc e Tibo, entrevistados em 2016 pelo Channel 4 para o documentário “Secret Life of the Human Pups”. 

Spot, Hexyc e Tibo.

É certo que as pessoas que adoram animais são conhecidas por fazerem de tudo para demonstrarem o amor que sentem pelos seus amigos peludos. Contudo, como podemos ver, há quem eleve essa paixão a todo um outro nível.

Também em terras do Tio Sam há uma tendência crescente de pessoas que gostam de “vestir”, de vez em quando, a pele de um animal. Há pelo menos 250.000 norte-americanos que se identificam como “furries” (peludas), uma subcultura cujos membros gostam de se disfarçar de animais ao estilo cartoon — por vezes para satisfazerem um desejo sexual, mas mais frequentemente como um escape divertido.

E desengane-se se acha que é apenas um movimento underground sem grande expressão. Há vários anos que se realizam convenções destes peluches humanos nos EUA, onde milhares de pessoas se juntam para celebrarem a sua paixão pelos animais.

Uma das convenções mais conhecidas e mediáticas é a da Biggest Little Fur Con (BFLC), que se realiza na cidade de Reno (no Estado do Nevada) todos os anos e que dura quatro dias. Ali pode encontrar “representantes” de praticamente todo o reino animal, desde lagartos. raposas, veados, cães e gatos, até leões, coelhos e pandas, passando por dragões ou águias. A primeira edição realizou-se em 2013 e a deste ano está precisamente a decorrer: começou no dia 2 de junho e termina neste sábado, dia 5.

Ainda assim, Toko-san está num patamar completamente diferente. Elevou o seu amor aos cães ao expoente máximo, ao viver como um deles durante grande parte do dia.

Percorra a galeria para ver o Collie Toko-san, que tanto tem dado que falar.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT