Família

Animalife regista mais de 9 mil pedidos de ajuda em 2023. “É um desafio crescente”

A associação frisa que o número "sublinha a vulnerabilidade de inúmeros animais e famílias". Mas também há boas notícias.
Ajudou mais de 81 mil animais.

A situação é delicada para muitas famílias e animais. No ano de 2023, os preços aumentaram e apesar do abandono em centro de recolhas ter diminuído na maioria dos distritos face a 2022, ainda há aqueles onde o número continua a subir — Lisboa é um deles. Além disso, a realidade das associações continua a ser preocupante e muitas já não conseguem sobreviver com o que recebiam no passado.

A Animalife, uma organização de sensibilização e apoio social-animal a nível nacional, registou em 2023 um “número alarmante” de pedidos de ajuda: foram mais de 9.143. “Este sublinha a vulnerabilidade de inúmeros animais e famílias e é um reflexo pungente da crise de abandono animal que o País enfrenta”, frisa.

Por outro lado, nem tudo foram más notícias. No programa de apoio a associações, afirma que forneceu ajuda substancial a 660 entidades de apoio animal, o que permitiu apoiar 81.459 animais a cargo destes espaços através da distribuição de quase 647 quilos de ração.

Já o Departamento de Desenvolvimento Social-Animal, conseguiu inscrever 821 utentes e ofereceu apoio direto a 1.877 animais de famílias em situação de vulnerabilidade económica e social. O impacto do trabalho é ampliado pela realização de outras atividades e os números não mentem: foram feitos 762 atendimentos sociais e 1.008 profiláticos.

Nesse sentido, foram realizadas 971 vacinações, a colocação de 391 microchips e 186 esterilizações, que constituem “cuidados fundamentais para a prevenção de doenças e para a promoção de uma vida saudável para os animais”.

A associação acredita que o acompanhamento e a proximidade do trabalho realizado às famílias e aos seus animais é importante para assegurar que as necessidades dos tutores e dos patudos sejam atendidas.

“A nossa ação ao longo do ano reflete a essência da nossa missão — a criação de histórias felizes tanto para os animais como para as famílias que os acolhem”, afirma Rodrigo Livreiro, Presidente de Direção da Animalife. “Cada pedido de ajuda é um lembrete da necessidade constante de suporte comunitário e da importância das doações que recebemos.”

A associação apela à comunidade e aos seus parceiros para que continuem a contribuir, realçando que o apoio prestado é a base que a permite operar e expandir a sua influência. “Sem a generosidade das pessoas, os serviços prestados, incluindo vacinações, colocação de microchips, esterilizações, e atendimentos sociais e profiláticos, não seriam possíveis”, garante.

Rodrigo Livreiro acrescenta: “Estamos numa encruzilhada crítica onde cada contribuição conta — seja um donativo, tempo dedicado por voluntários, ou a partilha da nossa causa. Juntos, podemos assegurar que a nossa resposta não só continua mas também cresce para alcançar cada vez mais animais em necessidade”.

O Banco Solidário de 2023 juntou mais de 320 toneladas de bens e 224 mil euros. A PiT, que se tornou no principal media partner da Animalife no mesmo ano, acompanhou toda a recolha de bens, além de contar as histórias de alguns dos voluntários que se dedicam à causa animal para um bem maior.

Carregue na galeria para conhecer alguns deles.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT