Família

Bóris vivia à corrente e era agredido na Madeira. O terror já pertence ao passado

Resgatado há um mês, ficou ao cuidado da Associação Ajuda a Alimentar Cães. Com amor e cuidados conseguiu recuperar e foi adotado
O olhar dorido deu lugar a um sorriso.

Há animais que são resgatados no limite, com mazelas físicas e psicológicas profundas. Alguns não resistem, outros conseguem recuperar e até vir a ter uma família – o final feliz que todos os seus protetores desejam. Foi o que aconteceu a Bóris, na ilha da Madeira.

Bóris viveu, na maior parte do seu tempo, preso a uma corrente, e era agredido frequentemente. Mas isso acabou quando, em inícios de abril, foi resgatado e ficou ao cuidado da Associação Ajuda a Alimentar Cães (AAAC). “Ele foi resgatado da Nazaré, no Funchal. A GNR e a PSP já lá tinham estado várias vezes e agora foi retirado”, contou então à PiT a presidente da associação, Mariana Nóbrega.

O seu estado era deplorável. Tinha um problema de pele, otites e os dentes em péssimo estado. E as feridas psicológicas eram também evidentes. “Ele tem um olhar que dói. É mais uma dor na alma”, lamentava Mariana. Ainda iria a tempo de ter uma vida feliz? Era isso que esperava a AAAC, que o acolheu a pedido da Provedoria do Animal.

O processo de recuperação foi de imediato iniciado, tanto a nível físico como psicológico. E apesar de sofrido, depressa confiou em quem lhe deu amor. “Ele estranha o nosso toque, estranha quando conversamos carinhosamente com ele. Tem receio da nossa aproximação. O querido Bóris ainda está triste e a estranhar tudo, mas já abanou a cauda durante o passeio. Ficou fascinado com outros animais. Queremos muito encontrar uma família que proporcione tudo o que ele nunca teve na vida. Amor e liberdade”, sublinhava a AAAC a 15 de abril.

Bóris começou a sorrir

Dois dias depois, Bóris já sorria, a fazer jus à enorme capacidade dos cães de perdoarem e voltarem a amar. “É a primeira vez que vemos o Bóris animado. É uma grande dificuldade fazer estes animais esquecerem o passado. Muitos levam os traumas consigo a vida toda. O Bóris foi agredido a vida inteira, mesmo assim é um doce com qualquer pessoa e com os outros animais.  Hoje, depois de um longo passeio mostrou-nos o seu sorriso”, contou a associação, para alegria de quem acompanhava a sua evolução.

Mais uns dias e novo salto de fé. “O medo já não o trava. Está a tornar-se um cão confiante. Estamos a ver o medo finalmente a recuar”, dizia a associação na legenda de um vídeo publicado a 21 de abril, onde se podia ver Bóris feliz durante um passeio. “O querido Bóris dá-se bem com qualquer outro cão e com os humanos. É realmente um cão incrível. Já foi castrado, fez uma destartarização e tem os dentes como novos, já está a tratar das suas otites e dos problemas de pele. Agora falta o mais importante, uma verdadeira família. Ele não sabe o que é ter uma”.

Não demorou muito para saber o que é isso. “O nosso Bóris foi adotado”, disse Mariana à PiT, com alegria na voz. “Foi para Santana [concelho madeirense conhecido pelas suas casas típicas] e está muito bem”, garante a presidente da AAAC.

Para Bóris houve uma oportunidade. E agora está, finalmente, a viver os dias que nunca lhe deveriam ter sido negados. Percorra a galeria para ver a sua evolução.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT