Família

Cão vai até acampamento de escoteiras e recusa-se a sair — acabou reunido com o dono

Após vários dias, foi descoberto que Boey estava desaparecido e vivia a 80 quilómetros de distância. Fez amizade com as miúdas.
É muito meigo.

Scout, afinal, era Boey. O cão que acabou batizado por um grupo de miúdas escoteiras em janeiro não era vadio — tinha um lar a 80 quilómetros de distância do acampamento e estava desaparecido desde dezembro. Ninguém sabe como foi lá parar, mas o mix de Bulldog Americano viveu uma verdade odisseia e fez dezenas de amigos pelo caminho.

Tudo começou em janeiro, quando Boey “invadiu” o acampamento e começou a dormir do lado de fora das cabanas das raparigas, mesmo à chuva. Durante o dia, o patudo fazia amizade com todas as que lá estavam e até as acompanhava durante as caminhadas pela floresta. “Este miúdo apareceu no nosso acampamento e ficou lá o fim de semana inteiro”, escreveu uma escoteira.

Boey acabou acolhido pelas responsáveis, que tentaram encontrar-lhe um lar. Depois de o levarem para ser analisado por uma veterinário local e garantirem que estava saudável, fizeram um anúncio nas redes sociais. Apesar de, a princípio, ter tido uma família interessada, esta desistiu logo a seguir. Mais tarde, as escoteiras entraram em contacto com várias associações que o pudessem acolher. Mas não foi preciso.

Houve um dia em que a responsável pelos seus cuidados recebeu uma mensagem de uma voluntária da causa animal com um cartaz de um cão perdido em Zolfo Springs, na Flórida. O patudo era idêntico a Boey e quando entraram em contacto com o suposto tutor, tiveram a certeza de que aquele era mesmo o seu “pai”.

O reencontro.

Boey estava desaparecido desde 30 de dezembro de 2023 e quando recebeu a chamada sobre o seu paradeiro, o tutor não conseguiu esconder a alegria. No mesmo dia, conduziu até ao condado de Manatee para ir reencontrar-se com o companheiro que também não conteve a animação. Numa fotografia partilhada pelo abrigo que ajudou com o reencontro, o patudo é visto a “sorrir” a caminho de casa.

Os voluntários acreditam que o cão tenha sido acolhido por alguém quando fugiu em dezembro e o então responsável terá conduzido para Manatee. Contudo, é possível que o canídeo tenha escapado novamente e encontrado um novo lar no acampamento. “Cada vez que algo assim acontece, fico muito agradecida, aliviada, praticamente a chorar”, disse a voluntária que ajudou Boey e o dono. “Reencontros como estes nunca envelhecem”.

De seguida, carregue na galeria para conhecer Boey e os seus novos amigos.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT