Família

Casal despejado de quinta em Ponte de Lima “acusado” de abandonar os seus animais

Andreia e Paulo foram obrigados a sair do espaço e alimentam diariamente os animais, enquanto procuram um novo sítio onde viver.
Saudades de estarem todos juntos.

Fez nesta quinta-feira, 18 de janeiro, um mês que Andreia Cristina e Paulo foram obrigados a sair da quinta onde viviam com os seus animais, em Ponte de Lima, depois de uma ordem de despejo por não renovação do contrato de arrendamento. O casal tem desesperado para encontrar um novo espaço onde possa ir morar com todos os seus animais, já que a proprietária da quinta rejeitou a proposta de um contrato de compra de venda com o dinheiro já angariado no crowdfunding criado para o efeito. E agora foi-lhes aberto um inquérito para averiguar se houve abandono dos seres que mais amam.

“Ligaram-nos hoje da GNR”, conta Andreia à PiT. Precisamente um mês depois do despejo. “Nunca abriram inquérito nenhum para os animais que foram sendo abandonados à porta da quinta, mas agora vão abrir por os nossos animais estarem sozinhos, podendo configurar abandono”, diz, estupefacta e revoltada com a situação.

Andreia considera que “se não fosse trágico, seria cómico”. “Mas estamos tranquilos porque vamos cuidar deles todos os dias”. Com efeito, apesar de terem sido alvo de despejo – tendo levado consigo apenas dois cães mais pequenos, um deles com uma deficiência nas patas dianteiras –, todos os dias Andreia, de 36 anos, e Paulo, de 43, têm ido alimentar os animais, já que lhes foi dada essa permissão.

No entanto, “como fomos despejados à força da propriedade e eles ficaram lá dentro, isso para as autoridades é abandono, pois não tínhamos para onde ir – nem nós, nem eles”. O casal sente, em todo o processo, uma grande injustiça. “As entidades não arranjaram soluções, nem para os animais, nem pra nós. Mas agora é mais fácil acusar as pessoas de abandono”, lamenta.

Um sonho a perder-se em Ponte de Lima

Foi com grande tristeza que o casal viu, no final da semana passada, ser rejeitada a proposta de compra e venda que fez à proprietária. A não renovação do contrato deveu-se, precisamente, ao facto de a dona da quinta a querer vender – ao que se sabe, por 175.000€.

O casal vivia há quatro anos nesta quinta, com os animais que foi resgatando, num projeto ao qual deu o nome “Amor e Abrigo”. Mas há cerca de um ano e meio a proprietária disse que pretendia vendê-la. O desespero tomou conta de Andreia e Paulo, que tentaram encontrar outros espaços, mas sem sucesso. Andreia está reformada por invalidez, pelo que não podem pedir crédito. O tempo correu e no passado dia 18 de dezembro foram despejados. Os animais ficaram na quinta e o casal pode entrar para os alimentar, mas é tudo provisório – e o tempo continua a correr.

No início de outubro, criaram uma conta de Instagram com o nome “Amor e Abrigo – o recomeço”, onde davam a conhecer a sua história, que a PiT tem acompanhado. Nessa altura disponibilizaram vários meios para quem pudesse ajudá-los. Além do contributo monetário que pode ser dado, via transferência ou através de MBWay, foi também criado um crowdfunding na plataforma Go Fund Me, que contava nesta quinta-feira à noite com 17.612€. “É incrível o amor que temos recebido”, diz Andreia.

Mas esse amor não foi suficiente. A esperança de Andreia e Paulo era atingirem pelo menos 10.000€ para poderem fazer uma proposta à proprietária – e isso foi conseguido. “A nossa ideia seria poder entregar esse dinheiro, regressar à quinta e ficar a pagar uma renda, ao mesmo tempo que se iria abatendo de tempos em tempos, com sucessivas tranches, o valor para concluir a compra da quinta. E foi o que fizeram há dois dias, já com esse valor angariado. Mas a proposta, mediada pela advogada Paula Belo, que ofereceu os seus serviços ao casal, foi recusada. “Claro que ela não era obrigada a vender-nos da forma que pedimos, eu sei isso. Mas tinha esperança”, afirmou uma inconsolável Andreia à PiT.

Seguidores querem ir a Ponte de Lima atestar boa fé do casal

Com esta recusa, voltou tudo à estaca zero. Mas os seguidores continuam a contribuir e agora a expectativa é de que se encontre, algures na zona norte do país, uma quinta cujo proprietário aceite vendê-la faseadamente. “Temos cerca de 20 cães, 10 gatinhos idosos, um coelho, dois patos, e dois pássaros. Cada um deles é um filho para nós. E há cavalos garranos que se habituaram a nós e se sentem protegidos nesta zona, refugiando-se aqui”, explicou Andreia quando contou a sua história.

Além desta busca desesperada por um novo espaço, surge agora este inquérito por abandono para abalar ainda mais o casal – que já deu conta, na sua página, do que se está a passar. E são já muitos os seguidores que se mostram disponíveis para se deslocarem até Ponte de Lima e irem atestar o não-abandono dos animais.

Apesar de todos estes problemas e desilusões – o casal tanto dorme no carro como num quarto, quando consegue ajudas direcionadas para a sua dormida, pois o mais importante agora é juntar dinheiro para comprar um espaço –, Andreia e Paulo não baixam os braços. E já há “uma outra quinta em vista, dentro exatamente do mesmo valor”, diz Andreia à PiT, com a voz mais animada. “Estamos a aguardar para saber se aceitam e as ajudas para isso são importantes”, acrescenta.

E essas ajudas não têm parado. Além do contributo monetário, há também quem esteja a oferecer parte das receitas dos seus produtos e serviços para apoiar projeto Amor e Abrigo na obtenção do dinheiro necessário. A divulgação por parte de figuras públicas tem sido também essencial para que a situação chegue ao conhecimento de mais pessoas. E, passo a passo, apesar de o caminho ainda poder ser longo, Andreia e Paulo acreditam que o final pode ser feliz. O importante é não deixar este sonho morrer.

Percorra a galeria e conheça os animais da vida deste casal, que todos os dias ficam a chorar, na quinta em Ponte de Lima, quando Andreia e Paulo se vão embora depois de lhes darem de comer.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT