Família

Clara de Sousa celebra os 55 anos com um novo membro na família

O cão Lucky veio fazer companhia a Mia e Kiko. O nome não é ao acaso — a pivô da SIC sente-se mesmo sortuda em tê-lo na sua vida.
Clara de Sousa sempre quis um Border Collie.

São 55 anos de vida, 36 anos de carreira. Mas o amor de Clara de Sousa vai muito mais além dos seus primeiros passos no mundo do jornalismo. Recusa-se a comprar animais, mas há um que sempre quis que alguém lhe oferecesse. E parece que teve sorte neste aniversário, assinalado terça-feira, 29 de novembro.

“Todos os meus cães e gatos foram adotados ou dados. Só há um cão que eu adoraria ter e sei que, se um dia o quiser mesmo, ou alguém me oferece ou então vai ser complicado, que é um Border Collie”, revelou, em entrevista à PiT, em abril deste ano.

Lucky é a nova adição da família da jornalista da SIC. E o seu nome não foi escolhido ao acaso. Significando sortuda, na língua portuguesa, é exatamente como Clara de Sousa se sente com a chegada do cão.

“Além de celebrar os 55 com saúde e energia e realização pessoal e profissional, tenho mais um motivo para sorrir com a família a crescer”, escreveu numa publicação.

Lucky é a nova cadela de Clara de Sousa.

Lucky vem agora fazer companhia aos cães Kiko, 11 anos, e Mia, que tem pouco mais de um ano. Além dos dois, que fez questão de adotar, tem mais três gatos. Mas, pela pivô do Jornal da Noite, só tinha dois: “Eu gosto de ter casais — um cão e uma cadela, um gato e uma gata —, só que a minha filha trouxe um gato da Madeira e pronto… lá ficou ele em nossa casa”, contou.

Até janeiro de 2021, fazia-se acompanhar por outra cadela, a Samoieda Urfi. Com 11 anos, acabou por morrer na mesma altura das eleições presidenciais, o que coincidiu com uma altura de grande stress para a jornalista: “Eras tão especial minha Urfi. Parte fundamental da família, presente nos altos e baixos. Nunca para substituir nada nem ninguém. Sempre para acrescentar. E ser, estando. Companheira, meiga, inteligente. Alfa. Sempre com aquele sorriso típico dos Samoiedo”, escreveu numa publicação.

“Se podemos ir buscar e deixar que eles nos escolham…”

Clara de Sousa sempre cresceu com animais, mas numa altura muito diferente da que vivemos hoje em dia. “Quando eu tinha dez, 11 ou 12 anos, o cão era um animal muito funcional. Era um cão que estava muitas vezes preso com uma corrente para não fugir…”.

Tal foi o caso do Pastor Alemão que tinha em casa, que um dia apareceu e nunca mais de lá saiu, apesar de pertencer a alguém. “Eu pensava que ele estava perdido, mas ele tinha dono. Quando este descobriu que o cão estava em minha casa, percebeu que nós já estávamos tão ligados que o deixou ficar connosco. Eu tinha uns 18 anos”.

A jornalista é , no entanto, grande defensora dos animais e costuma participar em campanhas solidárias contra os maus tratos e a apelar à adoção. “Quero sempre tirar cães e gatos de canis e dar-lhes uma casa. Dois dos meus gatos vieram de casas onde nasceram. Os meus dois cães também vieram do canil. Se podemos ir buscar e deixar que eles nos escolham…”.

Carregue na galeria para ver algumas fotografias de Clara de Sousa com os animais.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->