Família

Com muito frango e bacalhau, Maria e Snoopy passaram o Natal no conforto

A antiga cantoneira acabou por ficar numa pensão, na Amadora. Teve uma ceia recheada, enquanto via os especiais de Natal.
Snoopy devorou o frango.

A noite de Natal era a que mais apoquentava Maria Guerra. Sem casa própria há dez anos e com um sentimento de solidão a persegui-la desde então, tinha receio de que a sua única opção fosse a rua. Só pedia um teto para passar a Consoada com o seu cão Snoopy, e alguém lhe concretizou o desejo.

“Estou muito contente. Sinto-me bem e ao menos tenho o meu Snoopy comigo”, começa por contar a antiga cantoneira à PiT, na noite de véspera de Natal. Maria, 60 anos, iria ficar em casa de uma amiga, que vive na Reboleira, na Amadora (Lisboa), o local a que chama de casa. Mas acabou por não ser possível: “Ela tinha um gatinho e, a príncipio, achava que não haveria problema, mas depois começou a pensar que talvez não se desse bem com o meu cão”.

As ruas onde Maria e o seu cão com 11 anos passam os dias e, por vezes, as noites voltaram a ser uma opção. Foi então que um casal amigo lhes estendeu a mão: “Ofereceram-me para ficar numa pensão na Amadora. Viram o artigo e quiseram ajudar-me e ao meu Snoopy”, confessa radiante.

Aliás, foi mesmo Snoopy a iniciar estes laços de empatia: “Eles têm uma cadela, a Cooka, que adora o meu cão. Vem sempre brincar com o Snoopy, quando o vê na rua”.

Já há uma semana que o casal andava à procura de um teto para Maria e Snoopy. E não só: “Trouxeram-me bacalhau à brás para eu comer e um franguinho para o Snoopy. Eles sabem que ele adora”, ri-se

Com Snoopy ao seu lado ansioso pela ceia recheada, Maria entreteu-se a ver televisão e a acompanhar os especiais de Natal. E isso chegava-lhe: “Estou muito feliz. Tenho um Natal quentinho, com o meu filho de quatro patas. Era só o que eu queria”, desabafa.

Ano novo, vida nova noutra cidade

Maria nunca se imaginou a deixar Lisboa. Muito menos a Reboleira, que fora o seu ofício durante três anos, quando era cantoneira. Mas confessa estar muito feliz por fazer as malas e rumar para outro local: “Ainda quero muito ir para aquela casa. Quero dar uma melhor vida ao meu Snoopy”.

Após o artigo da PiT, uma senhora entrou em contacto com Maria a oferecer a sua casa em Santarém para viver. “Disse que tinha muitos animais e que eu podia ficar lá até quando eu quisesse”, descreveu.

Maria já tem os olhos postos no Ribatejo, e não vê a hora de se fazer à estrada: “Finalmente, vou ter um cantinho para mim e para o meu cão”.

Carregue na galeria para ver algumas fotografias de Maria Guerra e Snoopy.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT