Família

Da Lapa a Campo de Ourique. O mais completo brunch de Lisboa serve-se com cãopanhia

O La Boulangerie tem dois espaços e uma mercearia onde eles entram. E a comida vai dos croissants franceses às pizas italianas.
Uma refeição normal custa à volta de 15€.

Já lá vão nove anos desde que o La Boulangerie abriu portas, num primeiro espaço, na Lapa. Hoje, também está presente em Campo de Ourique, na Rua Francisco Metrass, mas é no bairro das buganvílias que o sentido de comunidade mais se faz sentir em volta deste espaço caseiro com fabrico próprio.

“Começou no mesmo dia em que eu tive o meu ‘cão-panheiro’ e animal de estimação, que se chama Jack”, começa por contar à PiT Bernardo d’Orey sobre o dia em que abriu o La Boulangerie. O seu “cão-panheiro” Jack é um Jack Russell, pois claro. E é, também, em certa medida, co-fundador do restaurante do dono. Afinal, desde o início marcou presença assídua no estabelecimento, abrindo portas aos seus pares de quatro patas — tanto na Lapa como em Campo de Ourique, os animais são mais que bem-vindos, até porque sempre fizeram parte da vida do proprietário, de 34 anos.

“Na altura era solteiro e vivia com o Jack, que não ia ficar sozinho em casa todas as horas em que eu ia trabalhar. Então, ele vinha comigo e [o La Boulangerie] foi mais do que pet friendly porque, para ser sincero, ele entrava em todo o lado. Ficou um bocadinho a mascote daquele sítio”, explica Bernardo. Ficou e continua a ser. Ainda anda por lá a fazer as rondas às mesas e a controlar o tráfego na esplanada. “É como se fosse a casa dele”, remata o verdadeiro dono da casa.

Hoje, a vizinhança já sabe com o que conta. Dos palmiers de canela aos croissants franceses e às pizzas italianas. Desde a Flor da Selva, “torrefação localizada na Madragoa com mais de 100 anos de história e ligada a uma qualidade de café muito superior”, ao Sr. Nuno dos ovos, à Diana, do Montijo, e à Neusa, de Mafra, que trazem diariamente os ingredientes mais frescos.

Já os patudos têm à espera deles água disponível, sempre. E, com sorte, talvez mais qualquer coisa. “Às vezes até damos alguma comida, não nos importamos”, confessa Bernardo. Comida essa que vai da pastelaria às refeições completas. Até brunch há neste estabelecimento verdadeiramente amigo dos animais. E que brunch, este: “O brunch dá para duas a três pessoas. Por exemplo, com a minha família, vamos três e comemos um brunch — e sobra”. Daí que, sendo a dose consideravelmente generosa, custe 38€. O que inclui? Bernardo começa a enumerar os componentes, entre sumos naturais, croissants, salmão, iogurte com granola, e por aí fora — a lista não acaba, acredite.

Também no que diz respeito à política pet friendly, os clientes locais estão habituados — uns à presença, outros à liberdade de os levar — aos animais que visitam o La Boulangerie. Grande parte deles são, também eles, clientes regulares, tratados pelo próprio nome pela gerência. “Uma pessoa vai com o seu animal de estimação, seja ele qual for, como se fosse entrar em sua casa. Há regras de senso comum a cumprir, mas essas regras não são impostas. Os nossos clientes sempre perceberam esse sentido comum”, sublinha o proprietário.

Mesmo nas situações inconvenientes a reação geral é bastante natural. “Shit happens”, como dizem os gregos. E Bernardo testemunhou no seu espaço algumas situações desse género que, felizmente, se resolveram na hora sem que se desse demasiada importância às desagradáveis ocorrências: “Há desastres que acontecem… Lembro-me de uma vez, de manhã, uma cadela, que é muito agitada e às vezes vai sem trela, derrubou o telefone de uma senhora, e o telefone partiu-se. E a dona pagou-lhe o telefone, foi responsável por isso, e a partir daí passou a ir com trela”, recorda.

Tudo está bem quando acaba bem. É esse o espírito prevalecente no La Boulangerie: “É muito natural, é mesmo orgânico. As pessoas já nem perguntam se podem entrar ou não [com os animais]”. Claro que podem, e devem. Todos agradecem.

Carregue na galeria e fique desde já a conhecer a ementa do La Boulangerie.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua do Olival, 42
    1200-742 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Segunda-feira a sábado: 7h30-23h
  • Domingo: 7h30-19h
  • Terça-feira: encerrado
PREÇO
15€
TIPO
Cafés e restaurantes

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->