Família

Dorme de boca aberta? Amanda também, mas deixou de dormir por causa do seu cão

Espanhola estava a fazer uma sesta com o seu Chihuahua, quando foi acordada pelo cocó do cão. Passou três dias no hospital.
A tutora já perdoou Belle pelo pequeno acidente.

Esta é para quem dorme de boca aberta. Se achava que a pior coisa que lhe podia acontecer eram as fotografias humilhantes, então não podia estar mais enganado. E Amanda Gommo pode prová-lo.

A cidadã britânica da cidade de Bristol, estava a descansar tranquilamente com a Chihuahua da filha, quando foi surpreendida por algo: “Estava a fazer uma sesta com a Belle, como costumo fazer, quando, de repente, senti algo a escorrer pela minha boca”, descreve Amanda Gommo, 51 anos, citada pelo Daily Mail.

Sem ter percebido ainda o que era, correu para a casa de banho para limpar, mas, infelizmente, estava ocupada: “O meu filho estava a tomar banho, por isso, antes de me lavar consegui tirar uma fotografia”. Quando olhou para ver o resultado, ficou chocada e enjoada ao ver algo castanho a rodear-lhe a boca: “Era nojento. Estive a vomitar durante horas, não conseguia tirar o sabor da minha boca”.

A filha de Amanda acabou por levar Belle ao veterinário e a cadela foi diagnosticada com uma gastroenterite. O problema é que não foi a única. Horas depois do incidente, a tutora da Chihuahua começou a ter os mesmos sintomas e decidiu chamar uma ambulância para a socorrer.

A britânica, que também sofre da Doença de Chron, que afeta o tubo digestivo, foi encaminhada para o hospital, mas acabou por voltar para casa na mesma noite com a prescrição de diversos medicamentos para aliviar as dores e com a recomendação para uma dieta à base de líquidos. Contudo, nada melhorou: “As cólicas pioraram ao ponto que as conseguia sentir em todo o meu corpo, até nas pernas”, disse.

Amanda ficou com uma gastroenterite.

Dois dias depois, voltou a ligar para o serviço de emergência do Reino Unido: “Voltaram a mandar uma ambulância, e eu estava tão desidratada e com diarreia que os meus rins diminuíram para metade do seu tamanho”.

O hospital foi o seu lar durante três dias, e só saiu quando tiveram a certeza de já estava curada: “Na minha alta, disseram que tinha sofrido uma infeção gastrointestinal causada pelas fezes de um cão na minha boca — algo que os médicos nunca tinham testemunhado”.

Com muitos medicamentos, água e chá à mistura, Amanda acabou por recuperar, assim como Belle. E a tutora não guardou quaisquer remorsos da cadela: “Eu perdoei-a pelo pequeno acidente e ainda a amo com todo o meu coração”. Contudo, faz uma ressalva para as pequenas sestas que fazem: “Terei definitivamente em mente a posição em que dormirei no futuro”, conta.

Se gosta de boas noites ao lado do seu patudo ou de relaxar no sofá com ele perto da sua almofada, pense nesta história e tenha cuidado. Porque afinal, não acontece só aos outros.

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->