Família

Ele odiava café. Hoje é dono de uma nova coffee house em Lisboa

Anderson conheceu as maravilhas da bebida em Portugal e decidiu investir no The Coffee Corner LX. Pode lá ir com os animais.
Há sempre um doce para acompanhar.

Anderson Monteiro não bebia café. Tudo mudou quando chegou a Lisboa, apesar de a bica e a meia de leite também não o terem conquistado. Mas foi na capital que encontrou o chamado café de especialidade: a fórmula secreta para transformar este ódio em amor.

O brasileiro, natural de São Paulo, vive há um ano em Portugal e agora decidiu retribuir o amor à bebida com a sua própria cafetaria. Chama-se The Coffee Corner LX e abriu no passado dia 25 de abril, em Campo de Ourique.

A insegurança e a violência que se vivem nas ruas do Brasil continuam a ser um dos maiores motivos para brasileiros imigrarem para Portugal. A história da família de Anderson Monteiro não é diferente. O contabilista de 44 anos viu a família a fugir para Lisboa numa tentativa de dar uma melhor qualidade de vida aos filhos. Primeiro veio a mulher, Denise, e os dois miúdos mais novos. Depois a filha Vitória e, quando tudo estava tratado em São Paulo, também ele se mudou para a capital.

Um ano após a mudança, o brasileiro decidiu que estava na hora de dar “algo em troca ao País” que o acolheu. Juntamente com a filha de 23 anos, formada em pastelaria, abriu uma pequena coffee house. “Eu não bebia café. O sabor a queimador repugnava-me. Mas quando dei uma oportunidade ao café de especialidade, apaixonei-me. A grande diferença está nos sabores. O café de especialidade consegue extrair de notas mais frutadas, tem mais acidez e é menos torrado”, realça.

“Não consegui qualquer equivalência para trabalhar na minha área, de contabilidade, em Portugal. Por isso tive de me adaptar. Como Lisboa me apresentou o conceito de café de especialidade e eu fiquei rendido e percebi que poderia ser uma oportunidade. Mas o facto da minha filha ser formada em gastronomia, na vertente de pastelaria, alavancou-me para me aventurar”, conta.

O mundo da restauração não é uma novidade para a família. No Brasil tinham explorado uma hamburgueria, mas a chegada da pandemia levou-os a fechar portas. “O conhecimento que tínhamos acabou por servir de base quando pensei em abrir algo cá. Mas sabia que tinha de te cuidado, então passei o último ano a avaliar o mercado para perceber o que ainda fazia falta em Lisboa”, explica.

O dia escolhido para abrir não foi propositado, mas acabou por revela-se uma excelente escolha. “Tivemos a liberdade de sair do nosso país e vir para cá, para dar uma melhor vida aos nossos filhos. E abrir no dia em que se celebra a revolução dos cravos, cá, foi especial.”

Anderson não sabe dizer se o dia da abertura teve impacto, mas a verdade é que o pequeno negócio familiar está a superar as expectativas. “Somos um local muito pequeno e intimista e temos tido muito clientes. O serviço, o café e os bolos têm sido elogiados tanto ao vivo, como nas plataformas de críticas, como a Roasters e o próprio Google”, adianta.

No pequeno The Coffee Corner LX a estrela é o café. Os grãos chegam de todo o mundo, mas a torrefação é feita em Portugal, para “fomentar o comércio local”. Assim que moído, o café dá origem ao simples espresso (1,3€) aos já conhecidos lattes (3,50€) ou cappuccinos (3,20€). Nos cafés de filtro pode provar o feito numa cold brew (3,50€).

Para quem é como antigo Anderson e não aprecia a bebida, pode sempre pedir um chocolate quente (4€), um matcha (3,80€) ou chá (2,80€). Há ainda sumos naturais de laranja (3€), manga, maracujá e manjericão (4€), laranja e frutos vermelhos (4€), ou chá gelado de limão (3€).

O espaço é pet friendly e laptop friendly o que significa que há quem passe lá muito tempo a estudar ou a trabalhar. Se for o caso, podem sempre ficar para almoçar. O menu inclui quiches (5€), tapioca de queijo e tomate (5€), salada de salmão fumado (7€) ou a caprese (5€), pão de queijo (1.80€) e tostas. O proprietário destaca a BECO, que leva bacon, ovos, queijo e cebola (8€) e a mix de cogumelos (10€). Os doces também não faltam. São todos feitos por Vitória que aposta nos brigadeiros, claro, nas cookies (2€) e nos brownies (3€). Diariamente surge uma surpresa, um género de bolo de dia que é depois vendido à fatia (2,50€).

Carregue na galeria para descobrir a nova equina do café, em Campo de Ourique.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT