Família

Encontrada no lixo em Campo Maior, Elsa escapou à morte e teve o seu final feliz

A patuda bebé, que começou por se chamar Elsa, foi agora adotada e já tem um novo nome: Lua. O sofrimento já ficou para trás.
Uma nova vida.

Quando um animal que está num abrigo conquista uma família, os seus protetores não poderiam ficar mais felizes. É uma das notícias que mais gostam de ouvir, já que a adoção é sempre o objetivo final de qualquer membro de uma associação. Para Elsa, uma bebé recolhida do lixo em Campo Maior, a espera não foi longa – o que foi motivo para uma celebração ainda maior. A patuda vai poder crescer numa família só dela, com todas as regalias que isso traz: uma caminha com o seu cheiro, brinquedos, trela e muitos passeios, amor, cuidados e dignidade até ao fim.

Na associação Amigos dos Animais de Campo Maior – distrito de Portalegre –, que estava responsável pela patuda, todos ficaram radiantes. “A Elsa foi adotada pela Laura e sua família e ficou aqui na zona. Agora chama-se Lua”, conta à PiT, com grande alegria, Mafalda Ensina, responsável da associação.

Elsa não teve um início de vida fácil. “Uma vizinha nossa encontrou uma cadelinha bebé no caixote do lixo, em finais de maio. Estava prestes a morrer asfixiada com o calor que se fazia sentir”, explicou Mafalda Ensina alguns dias depois, quando contou à PiT a história desta doce patuda. Mara, que é família de acolhimento temporário (FAT) de alguns animais da associação, prontificou-se a ficar com ela enquanto não encontrasse um bom lar. E foi a filha da FAT que lhe deu o nome de Elsa, por gostar muito desta princesa do filme “Frozen” da Disney.

De Elsa a Lua

Esta amiguinha de quatro patas estava bem entregue, a crescer feliz e a ser tratada, só lhe faltando um lar definitivo. Como apresentava um grande “papo” junto a uma bochecha, foi levada ao veterinário e rapidamente se descobriu que era um abscesso. Assim, além do calor que passou e de se ter visto enfiada no lixo, também terá tido muitas dores – felizmente foi encontrada a tempo de se poder salvar. “Era apenas uma cachorra com três semanas e já tinha sofrido tanto”, lamentou Mafalda Ensina.

Mas, com a ida ao veterinário e os tratamentos devidos, rapidamente melhorou e aumentou de peso. E agora veio o maior presente para todos: Elsa, que agora é Lua, já está a fazer as suas traquinices na casa onde vai viver para sempre – e rodeada de amor. Percorra a galeria para ver o antes e o depois desta cadelinha que teve direito a um final feliz.

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT