Família

Entre o caos, há Esperança. Mulher de Lula adota cadela resgatada das cheias

A primeira dama brasileira apaixonou-se por Esperança durante uma visita às áreas afetadas. Também doou uma tonelada de ração.
É a terceira cadela adotada por Janja.

“Vou levar a Esperança”. Foi assim que Janja Silva, mulher do presidente Lula da Silva, anunciou a adoção de uma cadela resgatada em Canoas, uma das zonas mais afetadas pelas fortes chuvas que assolaram o Estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, desde 29 de abril. A primeira dama visitou a Associação 101 Viralatas que tem acolhido vários cães e gatos e não resistiu à pequenota.

“São milhares de pessoas e animais que sofrem a consequência da crise climática. Só no abrigo em que a adotamos, são 400 ‘bichos’ que precisam de alimentos, medicamentos, cuidado e amor”, escreveu. “Que a alegria e a resiliência da Esperança inspirem todos nós a superar desafios e a construir um mundo melhor juntos”.

Esta terça-feira, 7 de maio, a socióloga partilhou novidades sobre a pequenota: Esperança foi analisada por um veterinário e tem algumas fraturas na anca, e terá de ser submetida a uma cirurgia. “Não sabemos dizer se foi da enchente, da correnteza que ela foi carregada, enfim, mas ela vai agora ficar internada. E vai ficar tudo bem”, garantiu a amante de animais que já está a chamar a patuda de “filha”. No mesmo dia, após a cirurgia, voltou a visitar a cadela e partilhou que tudo correu como o esperado.

Esperança foi uma entre as centenas de animais resgatados pelo protetor Cris Moraes e outros voluntários que têm estado na linha da frente da tragédia. Durante a mesma visita, a associação que a acolheu partilhou que Janja Silva doou uma tonelada de ração para ajudar outros animais sob os seus cuidados.

“Deixamos aqui o nosso muito obrigado para a primeira dama Janja Lula que, em parceria com a Petz, entregou uma tonelada de ração para alimentar os animais resgatados. Essa doação será distribuída entre as diversas necessidades para atender os peludinhos”, avançou. Nas últimas semanas, pelo menos 66 pessoas morreram e 155 ficaram feridas, havendo o registo de 101 desaparecidas e cerca de 100 mil desalojadas.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Janja Silva (@janjalula)

Esperança junta-se agora à Resistência e Paris, as duas cadelas também adotadas pela família do presidente brasileiro. Resistência era muito nova quando, em abril de 2018, foi encontrada por dois metalúrgicos perto do local onde Lula estava preso. Com o pelo todo embaraçado e muito magra, quase foi atropelada e os dois homens decidiram levá-la para o acampamento onde tinha sido montada a vigília a Lula.

Por lá ficou, tendo sido alimentada pelos militantes e vestida com uma bandeira do Partido dos Trabalhadores. O político tinha sido preso precisamente em abril de 2018, por suspeita de crimes de corrupção, e acabou por ser libertado a 8 de novembro do ano seguinte, por decisão de um juiz federal. E foi também nessa altura que a rafeira ganhou um lar.

A patuda também esteve presente na cerimónia de tomada de posse do presidente brasileiro, eleito a 31 de outubro de 2021, que decorreu em janeiro do ano seguinte. A ideia da família era que Paris também estivesse presente e percorresse o trajeto com Janja, mas por questões logísticas, a primeira dama só conseguiu levar uma delas.

Janja, por outro lado, não é a única primeira dama completamente rendida aos animais. Jill Biden, mulher do presidente norte-americano Joe Biden, também adotou a gata Willow após uma visita oficial a uma quinta em Willow Grove, a sua cidade natal.

De seguida, carregue na galeria para conhecer Esperança e as “manas” Resistência e Paris.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT