Família

Gata impede assalto à casa depois de fazer de tudo para avisar o dono

Bandit foi adotada há quatro anos e leva muito a sério o papel de guardiã do lar.
Fred Everitt e Bandit. Foto: Thomas Wells/Daily Journal.

Muitas vezes ouvimos que, quando salvamos um animal – do abandono, de maus-tratos, de uma doença –, também ele nos está a salvar a nós. Isto porque um animal é capaz de mudar a nossa vida para melhor em todos os sentidos. Faz-nos sair da letargia, pois é um ser vivo que precisa de ser cuidado, funciona como um terapeuta e leva-nos (sobretudo no caso dos cães) a fazer mais exercício devido aos passeios.

Fred Everitt, um odontologista reformado, bem pode comprová-lo. Quando o norte-americano de 68 anos adotou uma gata há quatro anos, no abrigo da Humane Society em Tupelo-Lee, no Mississipi, achou que estava a salvar a sua vida. Mas ela acabou por salvar também a dele.

Bandit – assim se chama a felina – evitou que a casa fosse assaltada e que o seu dono pudesse ser atacado. Tudo aconteceu em finais de julho, quando Fred Everitt estranhou o comportamento da gata, que tudo fez para o alertar para o perigo.

“Ouvimos falar em cães de guarda. Esta é uma gata de guarda”, comentou o seu dono ao “Northeast Mississippi Daily Journal”.

O facto de os gatos tenderem a ser ativos durante a noite ajudou. Perto das três da manhã, Bandit apercebeu-se de dois homens que estavam a tentar entrar em casa e tratou logo de avisar o dono.

Bandit começou por miar alto na cozinha, mas Everitt não prestou grande atenção, assumindo que ela poderia ter visto outro gato lá fora. Mas, subitamente, Bandit correu para o quarto do dono, saltou para a cama, começou a puxar-lhe a manta e a dar-lhe com a patinha nos braços.

O dono surpreendeu-se com aquele comportamento invulgar e foi ver o que se passava. Saiu da cama, vestiu um roupão e foi até à cozinha. Quando acendeu as luzes, viu dois jovens do lado de fora da porta de casa. Um deles tinha uma arma na mão e o outro estava a tentar arrombar a porta.

Everitt regressou a correr ao seu quarto, pegou na sua arma e voltou à cozinha – mas, felizmente, os potenciais intrusos tinham já fugido.

Se a gata não estivesse lá e os jovens tivessem entrado em casa, a situação poderia ter sido muito diferente. “Felizmente não chegou a uma situação de confronto. E tudo por causa da Bandit”, disse Everitt ao jornal, dando à sua felina todo o mérito por, possivelmente, ter salvado a sua vida naquela noite.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->