Família

GNR oferece cachorro a idosa que estava de luto pela morte do seu fiel companheiro

A adoção de um animal não substitui a perda do anterior, mas ajuda a ultrapassar essa ausência.
Uma imagem que fala por si.

A morte de um animal de estimação pode ser especialmente dura para quem vive sozinho. Por isso mesmo, quando a Guarda Nacional Republicana (GNR) soube da história de uma idosa de Vilar Formoso, na Guarda, que tinha perdido recentemente o seu cão mais fiel, ofereceu-lhe um cachorro.

Os agentes da GNR tomaram conhecimento do caso durante a operação “Censos Sénior 2022”, que pretende precisamente acompanhar de perto a população mais envelhecida em áreas remotas, com ações de proximidade que visam atenuar a solidão iminente destes habitantes mais isolados. Só este ano já foram realizadas 3.017 ações porta a porta, abrangendo um total de 26.527 idosos, dos 44.511 portugueses sinalizados pela GNR em todo o País.

Com a ajuda da população local, o cachorro batizado Tico foi, então, oferecido à mulher, que o recebeu, comovida, de braços abertos. “Foi com emoção que os militares procederam à entrega do Tico à sua nova dona”, lê-se numa publicação da GNR nas redes sociais.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->