Família

Goji: o cão que anda de mota pelas ruas de Lisboa e faz tudo com os donos

O cão esteve no casamento dos tutores, vai em corridas com eles e até acompanha a dona ao trabalho. É tudo feito em família.

Daniela Duarte e Rodrigo Simões tiveram experiências distintas quando o assunto são os cães. Ele, cresceu rodeado por vários, e ela, desde miúda tinha medo dos animais. Mas para a surpresa da família, foi a nutricionista que decidiu trazer um patudo para casa. E Goji chegou para mudar tudo para o melhor.

“Ele cabia na palma da minha mão”, começa por contar à PiT Daniela, 35 anos. O cão nasceu na quinta da família de Rodrigo, num dia de outubro. O casal já tinha pensado em ficar com um dos filhotes, mas de um momento para o outro, Daniela decidiu “mudar de ideias” e fazer uma surpresa ao marido, de 31 anos.

“O tio do Rodrigo decidiu inventar que o Goji tinha fugido e que não sabiam dele”, recorda, entre risos. “Estive a tentar disfarçar e houve um dia que o Rodrigo disse: ‘Se calhar, eles estão a gozar comigo’ e eu, a saber perfeitamente que estávamos a brincar, disse: ‘Achas que nos faziam uma coisa dessas?'”, partilha.

Dois meses depois, em dezembro, a farsa acabou por chegar ao fim quando na altura do Natal, o pequenote foi finalmente para o novo lar. Por ainda ser muito novo, Goji só saía de casa ao colo. “Tivemos uma treinadora ali nos primeiros meses e foi ela que nos disse para o levarmos à rua na mesma, mas dentro de uma mochila, porque ele ia se habituar ao ambiente”, explica.

Hoje, aos dois anos e meio, Goji continua a andar numa mochila — mas não é sempre e o motivo é ainda mais especial do que quando era bebé. O mix de Ratonero habituou-se a andar de mota com Daniela e Rodrigo e chama a atenção por onde passa. 

Está lá em todos momentos mais especiais da família

A ideia de juntar Goji aos passeios de mota surgiu quando o cão tinha cerca de um ano. O motivo? Queriam estar sempre em família. “São passeios descontraídos. Por exemplo, vamos almoçar a algum sítio onde tem esplanada e dá para levar o Goji, então ele vem connosco na mota. Ou vamos à praia”, aponta. “Ele adora andar de carro e a mãe dele também gostava muito”.

Pelas ruas de Lisboa e além, Goji coleciona admiradores e reações daqueles que não resistem à imagem de um cão numa mota com todos os equipamentos de segurança — uma mochila e um óculos. Com os donos, vai sempre tranquilo, sem qualquer medo.

Além dos passeios, o patudo faz tudo e mais um pouco com os “pais” humanos. Daniela conta-nos que no dia do seu casamento, Goji entrou com o seu sobrinho num sidecar e fez sucesso. Diariamente, também corre com a família e até vai ao consultório da nutricionista.  “A verdade é que o Goji me acompanha em quase todas as minhas atividades”, confessa.

É tudo feito em família.

Desde a chegada do companheiro de quatro patas, Daniela perdeu o medo de cães. “Acho que sou uma pessoa totalmente diferente daquilo que eu era”, partilha. “Há três anos, não chegava perto de um cão”, diz. Embora não saiba ao certo como surgiu este pavor, acredita que foi quando era miúda e estava a brincar com os amigos. A nutricionista não se recorda, mas é possível que um deles tenha sido mordido por um cão, despertando o seu medo. 

“Fui tentando combater um bocadinho isso. Mas na verdade, quem veio desbloquear totalmente o meu medo foi o Goji”, frisa. “Tenho um sobrinho que também tinha medo e não chegava ao pé de cães. Neste momento, desde que ele convive com o Goji, é uma loucura um com o outro”, aponta, acrescentando que basta o miúdo ver outro cão na rua para querer fazer-lhe festas. 

Apesar de no início ser um pouco tímido, especialmente com homens, Goji também gosta de conhecer novas pessoas. Sempre que acompanha Daniela ao consultório de nutrição, faz questão de ser sempre simpático com os pacientes da dona. “Ele fica deitado aos pés deles, ou põe o focinho para pedir festas”, conta. “Se tiver algum brinquedo, coloca no colo da pessoa”. 

A seguir, carregue na galeria para conhecer Goji.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT