Família

Güero está há 9 meses à espera do seu dono, que morreu no hospital

O cão seguiu a ambulância que levava o seu dono, já sem vida. Não o deixaram entrar e ele ficou à porta, onde está desde então.

Chamam-no de “Hachiko mexicano”, em honra do cão japonês que esperou dez anos pelo seu dono, na estação de comboios onde o tinha visto pela última vez. A história acabou por inspirar um filme, lançado em 2009. Será Güero o próximo protagonista de um enredo que conta a lealdade dos animais?

Tudo começou em agosto de 2022, quando o calor obrigava os mexicanos a fecharem-se na frescura de casa, tal como acontece todos os anos. No entanto, este prometia ser um agosto diferente dos anteriores.

Uma ambulância foi chamada a uma casa na cidade de Aguascalientes, para socorrer um homem de 67 anos que vivia sozinho com o seu cão. O paciente foi imediatamente transportado para o hospital Rincón de Romos, onde já não chegou com vida. Contudo, isso não demoveu alguém de o esperar à porta da unidade de saúde.

Güero seguiu a ambulância até ao hospital e só parou quando os paramédicos levaram o seu dono para o interior: “Ele vinha muito cansado. Quando o seu tutor entrou, ele tentou ir com ele, mas, por questões de higiene, os paramédicos mandaram-no para fora”, contou Ana Maria Pizanã, funcionária do hospital, ao canal mexicano Imagem Televisión. E por lá ficou.

O cão repousou dias e noites no exterior do hospital à espera que o seu dono saísse pela porta. Tal nunca veio a acontecer, mas Güero acabou por ganhar o carinho de todos os funcionários.

Além de lhe terem começado a deixar taças de água e comida à porta, deixaram que ele fizesse uma visita ao interior do hospital. Mais precisamente à zona em que o seu dono esteve internado. Güero cheirou e a enfermeira até desceu a maca para que o cão visse onde esteve deitado. Depois, saiu para receber festinhas, mas sem uma noção real do que se tinha passado naquele quarto.

Há nove meses que Güero é a mascote oficial do hospital, pelas razões mais tristes. Além de ter sido adotado pelos funcionários, já recebeu um cartão que o identifica como “companheiro e amigo”, para que possa andar à vontade pelas instalações.

A história do cão que ainda está à espera do seu dono, no hospital, tem emocionado o país e já há muitos a pedir que se faça um filme sobre ele. Carregue na galeria para ver algumas fotografias de Güero.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT