Família

Lucy é surda e estava há 753 dias a viver num abrigo. Foi agora adotada e até sorriu

Era a residente mais antiga da associação e a sua despedida foi emocionante. Embora seja obcecada por homens, adorou a "mamã".
Ficou mesmo feliz.

Foi com lágrimas nos olhos que as voluntárias se despediram de Lucy. A cadela mix de Dálmata tem quatro anos e passou mais da metade da sua vida numa associação — há motivos para acreditar que nunca teve uma família. Em 2024, porém, antes de completar três anos na Humane Society of El Paso (HSEP), no Texas, Estados Unidos, a sorte sorriu para a patuda. Depois de 753 dias à espera, Lucy foi para casa.

A 3 de fevereiro, a cadela foi oficialmente para casa com a nova “mamã” e foi amor à primeira vista. Embora nos últimos dois anos tenha recebido algumas candidaturas para adoção, nenhuma “era a combinação perfeita”. Até agora.

“A sua adoção foi ainda mais especial porque ela esteve connosco muito tempo e finalmente teve a oportunidade de experimentar um lar de amor e para sempre”,  contou Roszak-Moore, diretora de marketing da associação, à revista “Newsweek”.

A diretora acredita que é possível que a mix de Dálmata “nunca tenha conhecido um lar”. Antes de ser transferida para a HSEP, no início de 2022, Lucy vivia noutro abrigo. “A melhor parte é que a adoção dela salva outra vida, porque um novo cão virá viver na sua box para encontrar uma família”.

Além de ser surda, outros aspetos na personalidade de Lucy fizeram com que os possíveis adotantes desistissem de a abraçar oficialmente. Por causa da deficiência, assusta-se facilmente e estava à procura de uma casa calma e paciente, sem miúdos pequenos ou outros cães. Uma das possíveis condições era que também fosse adotada por um homem. “Esta miúda adora homens”, garantiu o abrigo.

Contudo, foi ao lado de uma mulher que encontrou o seu abrigo para sempre. E não se arrependeu. No dia da adoção, ficou tão feliz que foi fotografada ao lado da nova tutora com um sorriso na cara — é difícil perceber quem ficou mais alegre.

Agora, no novo lar, a sua rotina não vai ser tão diferente. A única diferença é que já não vai ter de dormir numa box e vai ser a protagonista na vida da família. “Ela adora começar o dia com uma longa caminhada cheia de novos cheiros, seguida de várias brincadeiras no quintal”, sublinhou. “À tarde, gosta de fazer a sesta ao sol, antes de brincar mais um pouco. Termina o dia com outro passeio antes de se preparar para dormir”.

Antes de ser oficialmente adotada, a mix de Dálmata teve vários encontros com a mamã humana, que nunca desistiu. “É preciso paciência, tempo e compromisso para um animal se adaptar a um lar. A nova tutora foi muito paciente, passou um tempo com a Lucy no abrigo antes de a adotar e estava empenhada em ajudá-la a crescer. Quando ficou mais confortável, a Lucy começou a mostrar-lhe a verdadeira personalidade”.

A cadela fazia parte de um dos principais projetos do abrigo destinados aos animais que lá estão há vários anos. Este consiste em ajudar os novos tutores com um período experimental de duas semanas, em que todos os custos dos animais são pagos pela associação. Caso corra bem, são depois adotados oficialmente.

A seguir, carregue na galeria para conhecer a patuda.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT