Família

Morreu Alfa, a mascote dos Bombeiros da Amadora. “Descansa em paz, cãopanheiro”

O patudo teve uma vida feliz junto dos soldados da paz. Na zona, todos os conheciam. Ficam as saudades e o reconhecimento.
Adeus a Alfa.

Um pouco por todo o país, cada vez mais surgem exemplos de instituições públicas e privadas que adotam animais de companhia. Há muitos exemplos de corporações de bombeiros, forças de segurança, juntas de freguesia e mesmo lares e centros comunitários que optam por ter mascotes – para grande alegria de quem com elas convive. Criam-se laços fortes, laços de amor. E, por isso mesmo, quando esses amigos especiais morrem, é como se partisse um membro da família. Foi o que aconteceu com Alfa, a mascote dos Bombeiros Voluntários da Amadora.

Estávamos em janeiro de 2012 quando Alfa apareceu, assustado, junto ao quartel dos soldados da paz da Amadora. Tinha coleira, mas não possuía microchip. Acabou por ser adotado pela corporação e por lá ficou. Soube-se mais tarde que tinha sofrido maus-tratos, mas ali essa vida menos feliz tinha ficado para trás. Todos os acarinharam até ao fim.

Esta semana, mais de 12 anos depois, Alfa partiu – e os bombeiros deixaram-lhe uma mensagem emocionada no Facebook. “Resgatado muito jovem em frente ao Quartel, vitima de maus-tratos e abandono, o Alfa escolheu os Bombeiros da Amadora como os seus tutores. Conhecido pelos seus passeios na Elias Garcia, um apetite insaciável e um temperamento muito próprio, o Alfa deixou-nos hoje, depois de chegar do seu derradeiro passeio. Descansa em Paz, Cãopanheiro”, diz a dedicatória dos seus amigos, com uma foto de Alfa a acompanhar.

As homenagens a Alfa

A publicação tem já muitas reações de quem com ele conviveu e de quem o conhecia como figura incontornável associada aos bombeiros. “Meu Cãobombeiro, saudades meu menino”, escreveu Mário Conde, daquela corporação. “O nosso bombeiro canino, que nos chegou acompanhar em alguns serviços. Cumpriu a sua missão! Obrigada, Alfa, pelos momentos que passámos juntos. Descansa em paz… Os Bombeiros Voluntários Amadora irão lembrar-se sempre de ti”, disse Marta Ferreira. Também Sofia Nabais Costa, que partilhou muitos momentos com ele no quartel, deixou a sua homenagem: “O nosso Alfa. Esse doido que ladrava até lhe abrirmos a porta e que tinha o tapete dele para descansar dos passeios. A nossa casa não vai ser a mesma. Que descanse em paz”.

“Quando soube, o meu coração tremeu! (…) Era horrível ver a saúde a abandoná-lo, mas agora todos temos a certeza que já não está a sofrer. O Alfa, assim como o Alerta [mascote dos Bombeiros Voluntários Lisbonenses, que morreu em abril] estarão sempre no coração de quem teve a sorte de os conhecer. Um abraço apertado a toda a corporação que conviveu anos e anos com este verdadeiro Amigo”, sublinhou Marli Almeida. “Vi o Alfa muitas vezes à porta do quartel a apanhar sol pela manhã. Quando passava algum tempo sem o ver, já receava que algo pudesse ter acontecido. E chegou o dia… Fico muito triste com esta notícia, mas com a certeza que teve uma vida feliz ao vosso lado”, frisou, em jeito de conforto, Sandra Fernandes.

Um cão que deixa muitas saudades

Na página “Amigos da Amadora”, no Facebook, também Jorge Cavalheiro lhe deixou uma mensagem sentida: “Os Bombeiros Voluntários da Amadora estão de luto. Faleceu o nosso Cão Bombeiro. Sim, Cão Bombeiro. Muitas vezes, quando era mais novo, era o primeiro a chegar ao carro para ir também para os incêndios florestais. E quando não podia ir, ficava deitado junto ao portão de onde tinha saído a viatura até ao seu regresso. Foi um lutador (…), mas um tumor deitou-o abaixo. Descansa em paz. Cãopanheiro de muitos anos”.

As homenagens e mensagens de despedida sucedem-se. Fica a certeza de que Alfa foi feliz – e que fez igualmente felizes todos aqueles que com ele partilharam um pouco da sua vida. Percorra a galeria para ver algumas fotos deste patudo que deixa muitas saudades.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT