Família

Mulher de 60 anos vivia rodeada de lixo e 40 animais em Castelo Branco

Entre eles, mais da metade eram gatos e os restantes eram cães, galinhas e até uma ovelha. Já foram recolhidos.
A responsável está internada.

Uma mulher de 60 anos foi encontrada a viver em condições miseráveis numa casa que continha mais de meio metro de lixo e 40 animais, entre gatos, cães, galinhas e uma ovelha, no Vale de Romeiro, Castelo Branco. O alerta, que veio à tona esta semana, terá sido feito por um vizinho após a idosa ter sofrido uma queda no exterior da habitação em março e ter sido transportada para o hospital. 

Lá, quando questionada sobre as outras feridas que tinha nos pés e nas mãos (como se estivessem mordidos), terá confessado que estas foram provocadas pelos animais. Nesta altura, o Ministério Público e a Polícia de Segurança Pública (PSP) terão sido acionados pelos profissionais de saúde através da assistência social da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, de acordo com o jornal “Reconquista“.

Quando chegaram à residência, as autoridades depararam-se com as situações miseráveis e, segundo avançou a SIC, durante o programa “Casa Feliz”, alguns animais não terão sobrevivido. Acredita-se que a mulher sofria de doença mental, incluindo o transtorno de acumulação.

A residência foi construída por Antônio e Rosa Martins e tinha dois pisos, três quartos, uma sala e cozinha. O casal, que vive em França, terá arrendado a propriedade à senhora e ao marido, um médico famoso na região, há vários anos no valor de 250€. Contudo, após o divórcio, a idosa terá ficado sozinha e ninguém sabe como chegou a esta condição. 

Os proprietários já tinham um processo contra por atrasos na renda desde 2017 e este ano, quando Filipe Martins, filho da senhoria, veio para Portugal para resolver a situação, ficou a saber da intervenção das autoridades. “A ultima ação de despejo estava marcada para 18 de janeiro, mas foi adiada”, explicou Filipe à “Casa Feliz”.

Durante os vários anos, a mulher não deixou qualquer conhecido entrar na residência. “Tentávamos entrar, mas ela só nos recebia cá fora”, partilhou Filipe Martins. “Quando a assistente social se apresentou à porta, ela imaginou como estaria lá dentro e, a partir daí, pediu o apoio da PSP e tiveram a autorização para entrar”. 

Filipe partilhou ainda que, há cerca de um ano e meio, o veterinário municipal foi chamado para analisar a ovelha que lá vivia. “Ele só disse que a ovelha estava bem tratada, mas não fez nada [em relação à sujidade]”, avançou.

Este ano, depois do caso ter se tornado público, os animais terão sido recolhidos pelo veterinário municipal. Terá demorado cerca de duas semanas até os funcionários conseguirem retirar todo o lixo encontrado na casa. A idosa está atualmente em Idanha-a-Nova a receber os cuidados de que precisa e terá causado cerca de 50 mil euros de prejuízo à habitação. 

Também em março deste ano, um acumulador de animais morreu em Aveiro e deixou mais de 50 cães desamparados. Cinco protetoras já resgataram mais de 30 animais e continuam a lutar para ajudar o restante.

Percorra a galeria para recordar o caso. 

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT