Família

O que nos diria Marley se pudesse falar? “Iupi, fui adotado”

O pequenote encantou uma família para quem a perda de um olho não importa. Foi de Arcos de Valdevez para Mafra e está radiante.
A conhecer o mundo fora de portas.

Marley parecia já estar conformado. Durante 10 anos viveu acorrentado num espaço imundo, cheio de dejetos, sem conhecer o mundo lá fora. Por isso mesmo, não imaginava que as coisas poderiam ser diferentes e que havia ainda muitos dias felizes para descobrir. Resgatado em março, já cego, esteve em acolhimento temporário, mas por pouco tempo. Uma família ficou encantada com ele e já foi adotado.

Quando a protetora da causa animal Daniela Alex se desloca a Ponte da Barca, no distrito de Viana do Castelo, já sabe que, além dos animais do canil que precisam de ser divulgados para saírem de onde estão, irá certamente encontrar novos casos em que é preciso intervir. E foi precisamente isso que sucedeu com Marley.

Depois de ser resgatado de uma situação indigna, que obrigou mesmo a uma intervenção cirúrgica, Marley ficou em família de acolhimento temporário, em Arcos de Valdevez. A sua mudança foi notória: de patudo assustado passou a um cão radiante. Só lhe faltava um lar definitivo: e na semana passada esse sonho tornou-se uma realidade.

Marley foi para Mafra e tem uma nova amiguinha

“Foi viver para Mafra”, conta à PiT, com grande alegria, a protetora Daniela. E foi o adotante de um outro patudo, o Edu (agora Dante), que tratou da boleia de Marley até à sua nova casa. A família que o adotou já tinha ido a Arcos de Valdevez de propósito, só para o conhecer, e depois tomou a decisão final: aquele pequenote de quatro patas iria ser o novo membro da casa. E Marley não poderia estar melhor. “Está mesmo muito feliz”, diz Daniela.

Para trás fica um passado que ninguém quereria recordar. Estávamos em março quando falaram a esta protetora sobre um cão velhinho que estava numa situação deplorável. Tinha sido feita queixa da dona, uma senhora idosa sem condições para cuidar dele de forma digna, que acedeu em entregar o cão a Daniela e à sua amiga Marta, que a ajudou neste caso. “Veio de Lindoso, a aldeia de onde resgato a maioria”, explicou então à PiT.

Depois de ser retirado do espaço onde sempre tinha vivido, sem quaisquer condições, Marley foi tratado como um príncipe. Fizeram-lhe uma tosquia rápida para lhe cortarem todas as rastas e também lhe cortaram as unhas – que estavam enormes. Além disso, foi operado para retirar um olho, pelo qual já nada havia a fazer, e recuperou muito bem. Só precisava de um lar definitivo para o seu final feliz.

Do terror à felicidade

“O Marley tinha a dificuldade social de quem viveu acorrentado e sem contacto humano por 10 anos. Como estava cego de ambos os olhos, não tinha confiança suficiente em nós quando nos aproximávamos. Notámos o quanto ficava aterrorizado numa primeira abordagem. No entanto, depois de perceber que tinha passado a ter direito a ser mimado e cuidado, começou a ficar mais descansado e a aproveitar. E sem falar que salta literalmente de alegria sempre que lhe colocamos a trela porque já percebeu que vai passear”, contou a protetora à PiT.

Agora, Marley parece outro. Percebeu que as pessoas não são todas iguais e aprendeu a confiar. E com uma família cinco estrelas, já anda a espalhar o seu charme por Mafra. Tem também uma amiguinha de quatro patas lá em casa, a Stella, que lhe anda a mostrar os cantos todos. Não podia estar a correr melhor. Percorra a galeria para ver o antes e o depois deste pequenote.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT