Família

O seu filho gosta de videojogos? Este miúdo tentou vender o cão para subir de nível

O pai apanhou o miúdo a colocar um anúncio na Internet, após lhe ter dito que não conseguia comprar equipamento para ele.
Chegou a encontrar-se com um homem para o fazer.

Skins, cheats, lag… Todos os pais de filhos obcecados com videojogos já ouviram estes ou outros termos dos quais desconhecem o significado. E tal como não entendem a linguagem, também não conseguem perceber qual o fascínio em ficar horas à frente do computador, de comando na mão. Já este homem teve mesmo de refletir sobre a educação do seu miúdo, quando o apanhou a tentar vender o cão na Internet.

“No 14.º aniversário do meu filho, eu e a minha mulher oferecemos-lhe um Husky, porque ele adorava estar no exterior e queria um cão que fosse como ele. Ele chamou-o de Zeus”, começou por explicar o pai de 42 anos, numa publicação na rede social Reddit, que funciona como um fórum de comunidades.

Com o título “Sou eu o idiota por roubar o cão do meu filho”, o homem descreveu que, durante os últimos dois anos, o miúdo, que agora é um jovem de 16 anos, nunca quis saber do animal: “Nunca o levou à rua, deu mimo ou mostrou qualquer tipo de emoção. Tratou-o como se fosse apenas uma peça de mobília da casa”.

Já o resto da família, não pode dizer o mesmo. Zeus tornou-se no melhor amigo do autor do texto, da sua mulher e dos seus outros dois filhos. Algo a que o jovem não assistiu, pois, entretanto, focou-se numa atividade que o mantém ocupado durante dias e noites: “No último ano, o meu filho perdeu o interesse por estar lá fora e agora adora sapatos caros e videojogos”.

Enquanto conseguiram, os pais de tudo fizeram para continuar a alimentar essa paixão. Mas, com mais dois filhos para criar e um cão para cuidar, os ordenados não chegam para tudo. “Certo dia, o meu filho chegou-se ao pé de mim e da minha mulher e perguntou-nos se podíamos comprar-lhe um equipamento muito caro. Nós não conseguíamos suportar a despesa, por isso dissemos que não”, continuou o homem.

O pai achava que o assunto tinha ficado por ali, até ter espreitado para o computador do filho e visto algo que não devia. “Apanhei-o a colocar um anúncio para vender o Zeus, para que assim pudesse comprar o equipamento”.

“Disse-lhe que ele estava proibido de vender o cão e que não percebia como é que ele tinha sido capaz”. O filho ainda argumentou, mas a discussão acabou com a intransigência do pai.

Dias passaram-se e o homem foi surpreendido com a pergunta do jovem sobre se podia levar o cão à rua. Sem conter o sorriso, disse imediatamente que sim, e assim foram os dois. Até que, após alguns minutos, lhe caiu a ficha.

“Decidi segui-lo e, após uma hora a andar, apanhei-o num parque de estacionamento a tentar vender o Zeus. Disse ao homem que o estava a tentar comprar que ele não estava para venda e levei o meu filho de volta para casa”. Desta vez, o pai não se manteve pelas palavras. Retirou todos os equipamentos eletrónicos do filho para que ele não pudesse jogar mais ou tentar vender o cão novamente.

“Ele disse que eu estava a ser egoísta e que, tecnicamente, o Zeus era o cão dele, por isso ele podia fazer o que quisesse com ‘aquela coisa'”. Após esta resposta, o pai manteve a posição e as tecnologias confiscadas. E até mesmo o cão.

O homem pediu a ajuda dos seguidores para perceber se estava a dramatizar, tal como a família sugeriu, ou se a situação era tão grave como ele a descrevia. E as pessoas não pouparam os insultos nos comentários: “Se ele quer assim tanto o equipamento, ele pode trabalhar. Agora, vender o cão? Isso é crueldade animal. Não o deixe sozinho com o cão”, aconselhou uma seguidora.

A esta crítica, o homem respondeu que o filho tinha um trabalho, mas que não queria usar o seu dinheiro para comprar o equipamento. Além disso, disse que ele “não costumava tratar mal os animais, pois até tinha um gato que adorava e tratava muito bem”.

Houve ainda quem acusasse o jovem de “não ter coração”, mas o pai desculpou com a inocência da idade. Mas uma coisa é certa: vai seguir o conselho e não os vai deixar um com o outro sozinhos.

Se também gosta de vídeojogos, especialmente daqueles com animais, carregue na galeria para ver algumas fotografias de “Stray” e “Little Kitty, Big City”.

 

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT