Família

Onde está Wally? Dono de crocodilo de apoio emocional diz que ele foi roubado

Joseph diz que Wally terá sido raptado do lar onde vive quando a família não estava. Está desesperado e não pára de chorar.
Foi adotado em 2016.

“Olá, o meu nome é Joseph Henney e eu sou o pai do Wally”. Foi assim que, com lágrimas nos olhos, o dono do crocodilo que se tornou viral por ser considerado um animal de suporte emocional recorreu às redes sociais para partilhar a dor que está a sentir. O réptil terá sido roubado do lar onde vive na Pensilvânia, Estados Unidos.

“Entre as 16h30 e 19h30, alguém veio cá e raptou o Wally enquanto visitávamos alguns amigos”, começou por explicar num vídeo partilhado no TikTok. “Precisamos de toda a ajuda que conseguirmos para reencontrar o meu bebé. Por favor, ajudem-me”, acrescentou o tutor, de 66 anos, sem conseguir conter as lágrimas.

Em 2016, quando um amigo entrou em contacto para perguntar se ele queria “adotar” um crocodilo, Henney não conseguiu dizer não. Além disso, não era um qualquer.

Durante quase uma década, entre 2006 e 2015, o Walt Disney World mantinha crocodilos para exibição. No entanto, em junho de 2016, o parque temático começou a remover os animais do espaço após um ataque fatal causar a morte de um miúdo de dois anos. O problema é que a grande maioria era vendida para a indústria da carne e a outra tinha a pele arrancada para a confeção de bolsas.

O conhecido de Henney, que, na altura, trabalhava com uma equipa de resgate de animais, conseguiu salvar alguns deles e entre eles, estava Wally, com pouco mais de um ano e cerca de 50 centímetros de comprimento.

@wallythealligatorWally is missing.♬ original sound – Wally

Hoje, com 1.22 metros e cerca de 27 quilos, o réptil faz parte da família de Henney e ajudou o dono a lidar com uma depressão grave. “O Wally é diferente de qualquer crocodilo com que já lidei nos últimos 30 anos”, disse numa entrevista à CNN. “Ele não mostra raiva, nem agressividade desde o dia em que foi resgatado. Nunca conseguimos entender o porquê”. 

A família tem todos os documentos necessários para manter o réptil e desde 2018, o tutor possui também uma carta assinada pelo seu médico a constar que a companhia de Wally é essencial para o seu bem-estar. Em casa, o réptil dorme até abraçado com todos os membros da família e adora assistir TV.

“Ele é simplesmente adorável. Dorme comigo, rouba os meus travesseiros e as minhas mantas. É incrível”, referiu. Agora, está a fazer o possível para reencontrar o companheiro e voltar a rotina que tinham antes.

A seguir, carregue na galeria para conhecer Wally.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT