Família

Orta é ainda bebé e quer um amor para sempre. Tem a mala feita em Campo Maior

O patudo tem apenas seis meses e foi encontrado na rua. Precisa de uma família com paciência para as asneiras de um cachorro.
Orta está à sua espera.

Ter um amigo de quatro patas é uma responsabilidade que nem todos, por mais que queiram, podem assumir. Há que estar preparado para fazer do patudo um membro da família com quem se vai partilhar a vida por mais de 10 anos – desejavelmente. E há que ter condições financeiras e disponibilidade emocional e de tempo, definindo também onde é que ele fica quando se está fora em trabalho ou de férias (se ele não puder ir) e tendo um plano B para o caso de algo correr mal – isto porque é recorrente nenhum familiar querer o animal se o tutor adoecer ou morrer. É uma família com todos estes requisitos que os protetores de Orta esperam encontrar.

Nada se sabe sobre os primeiros meses de vida de Orta. Encontrado recentemente nas ruas de Elvas, sem microchip, está com Daniel Nogueira em família de acolhimento temporário (FAT) e sob a responsabilidade da associação Amigos dos Animais de Campo Maior – no distrito de Portalegre. “Ele é ainda cachorro, terá cerca de seis meses. Foi encontrado por um voluntário nosso e procura uma família responsável”, diz à PiT Mafalda Ensina, responsável da associação.

“Parece-nos ser cruzado de Pastor Belga e está neste momento com nove quilos. Não sabemos com que porte vai ficar, mas será pelo menos médio-grande”, explica a protetora. “Quem tiver interessado em adotar, a FAT e a associação ajudam na esterilização (que será em breve). Será entregue com microchip”.

A família que o adotar “tem que estar preparada para ter um cachorro e para todas as asneiras que possa fazer, e assinar o nosso termo de responsabilidade. Gostávamos de uma adoção perto de nós, mas, se alguém de mais longe estiver disposto fazer a viagem até Campo Maior, será muito bem-vindo”, diz Mafalda. “Pode ser adotado para qualquer sítio, mas a adoção tem que ser em pessoa. Não mandamos por boleia nem transportadoras”.

Segundo Daniel – que, além de o ter acolhido, também o apadrinhou –, o Orta “é um cachorro muito bem comportado, faz as necessidades na rua, dá se bem com outros cães e é muito meigo”. Dany, como os amigos o tratam, tem estado encantado com Orta e até lhe fez uma dedicatória, que partilhou com a PiT. “É um verdadeiro amigo de quatro patas à procura do seu lar definitivo”, conta.

Orta tem um charme irresistível

“O Orta é um cachorro com cerca de 5 ou 6 meses, de raça indefinida mas com um charme irresistível, provavelmente uma mistura com um toque de Pastor Belga. A sua jornada começou nas movimentadas Portas de Olivença, em Elvas, mais precisamente na Avenida Garcia de Orta, daí o nome que carinhosamente recebeu”, explica Daniel.

Orta
É muito meigo.

Um dia, prossegue o seu padrinho, “o pequeno Orta foi avistado a cruzar as ruas, assustado e quase a ser atropelado. Foi então que um bondoso comerciante da zona, sensibilizado pela sua situação, decidiu recolhê-lo e dar-lhe abrigo. O Orta mostrou desde logo ser um verdadeiro cavalheiro de quatro patas. Passou as longas horas de trabalho ao colo do seu salvador, dormindo tranquilamente enquanto este se dedicava aos afazeres do dia. Todos os clientes que por ali passavam não resistiam ao seu charme e à sua doçura”.

Entretanto, o pequenote foi acolhido por Daniel em FAT e é aí que tem tido a oportunidade de conhecer o que é o verdadeiro amor e respeito. Já foi tratado contra pulgas e carraças, estando agora a receber todo o carinho e cuidado que merece. Atualmente, o Orta vive feliz na sua FAT, convivendo harmoniosamente com outros cães e até gatos. “E aqui está uma particularidade dele que não podemos deixar de mencionar: o Orta é um verdadeiro exemplo de boas maneiras! Desde que chegou à sua FAT, não fez nem um xixi nem um cocó fora do sítio estipulado. E mais: parece que os únicos estragos que ele fez foram nos seus próprios brinquedos! Parece que, na maioria das vezes, a culpa é dos brinquedos que, misteriosamente, se autodestroem (uma verdadeira comédia canina)”, descreve Daniel.

Uma família só sua: é este o desejo de Orta

Mas o patudo precisa de uma família definitiva. “Apesar de estar feliz na sua FAT, o Orta anseia por encontrar uma família para chamar de sua, um lar onde possa receber todo o amor, respeito e companhia que merece. Infelizmente, a atual FAT não pode mantê-lo por muito mais tempo, e ele está à procura de uma família permanente”.

“Na próxima semana, o Orta será castrado e terá um microchip colocado, estando então pronto para encontrar o seu lar para sempre. Aceitamos candidaturas de adoção e ficaremos felizes em encontrar a família perfeita para este adorável companheiro”, diz ainda Daniel. “Se estiver interessado em dar um lar ao Orta, entre em contacto connosco. Ele está ansioso para conhecer o seu novo lar e encher a sua vida com amor e alegria. Obrigado por ajudar a encontrar um final feliz para esta história”, remata o seu padrinho.

Estará desse lado a família responsável que lhe vai dar tudo o que precisa? Ele promete retribuir com o que de melhor um cão pode oferecer: amor e lealdade. Percorra a galeria para o conhecer melhor.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT