Família

Papaya — a pequena e frágil bebé atropelada em Moura precisa de ajuda

É ainda uma cachorrinha e já passou por muito. Resgatada em plena estrada, tem fraturas e precisa de cirurgia para ficar bem.
Salva a tempo.

Papaya não nasceu com este nome. Não se sabe sequer se chegaram a chamar-lhe alguma coisa. Talvez Nina? Ou Minorca? Papoila? Talvez nada disso. Provavelmente tinha o seu destino traçado ao nascer sem ser desejada – e o mais “fácil”, para quem a abandonou, foi largá-la junto a uma estrada. Vulnerável e indefesa, não soube proteger-se e rapidamente foi atropelada. Mas ainda não tinha chegado a sua hora – foi resgatada a tempo do meio da via e está agora ao cuidado da SOS dos Animais de Moura. Mas precisa de todos nós.

“É ainda uma cachorrinha, pequenina e frágil, que foi atropelada em Moura. Demos-lhe o nome de Papaya”, conta à PiT Vânia Jesus, uma das responsáveis daquela associação do distrito de Beja. “Depois de estar internada na VetMoura, a recuperar, foi para a clínica da Arrábida – onde vai ficar internada também”, sublinha a protetora de 40 anos.

Papaya precisa de ser operada

Tudo indica que Papaya poderá vir a ter uma vida normal. Mas, para isso, precisa de cirurgia e a conta já vai elevada. Demasiado elevada para uma associação que sobrevive dos donativos de quem acredita no projeto e que, perante estes casos mais complexos, se vê aflita para se manter sem dívidas e poder continuar a cuidar das dezenas de animais que alberga.

Já pagámos 875€ referente à consulta, ao raio-X e a um mês de reabilitação. Isto sem contar com alimentação, vacinas e outros exames que vão ser necessários”, aponta Vânia Jesus. E há mais: “Por alto, tem fratura da cabeça do fémur e da bacia; a do fémur vai precisar de cirurgia”, salienta a protetora. “Quanto à coluna, parece não ter nenhuma lesão; os desequilíbrios e tremores podem ter sido provocados pelo traumatismo e vão ser realizados mais exames durante os próximos dias”.

Quem pode ajudar a SOS dos Animais de Moura a fazer frente a mais esta despesa? Para que Papaya possa crescer bem e saudável. A pequenota ficará depois para adoção, na esperança de que surja uma família responsável que lhe dê a vida digna que merece. Se puder apoiar a associação, basta contactar pelo Facebook – e qualquer ajuda será muito bem-vinda. Percorra a galeria e conheça melhor a doce Papaya.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT