Família

Tata: a cadela-influencer de Oeiras que é uma super estrela no Instagram

A Cavalier é embaixadora de marcas e eventos e usa sempre os melhores acessórios, claro.
A mais estilosa.

“Da mesma forma que perguntam a uma influencer onde compra as coisas, também perguntam à Tata. Por vezes, deparo-me com imensas mensagens às quais não consigo responder”, conta Mónica Assis, 28 anos, dona da Cavalier King Charles Spaniel mais fofa do concelho de Oeiras. A cadela tornou-se numa celebridade oeirense que já é reconhecida na rua — e todos querem saber o que come ou que cuidados tem com o pelo. 

A verdade é que a fama de Tata — diminutivo de batata, nome originalmente escolhido a pensar num Beagle amarelo e branco, raça que a dona decidiu não escolher por não se adaptar a apartamentos — começou de forma natural. Como as amigas de Mónica sabiam que ela gostava de tirar fotografias, começaram a pedir-lhe algumas assim que a cadela chegou aos seus braços.

Um dia, disseram-lhe que tinha de criar uma página da cadela no Instagram. Logo de seguida, surgiram os primeiros seguidores, a maioria internacionais. Em dois anos, Mónica conseguiu mais de cinco mil fãs e não sabe como. Agora até faz parcerias com marcas como, por exemplo, a Barkzie e o Continente.

“Esta é uma raça com as características que eu procurava. Ou seja: dá-se bem em apartamentos, é amigável, é bastante inteligente e quer sempre colo. É muito amorosa. Também precisava que, quando fosse viajar, ela pudesse vir comigo no avião em vez de ir no porão. Além disso, ela posa mesmo para as fotografias. Quando começo a montar os cenários vai logo para lá e fica à espera que esteja tudo pronto”, partilha a jovem de 28 anos.

No entanto, o que a maioria dos seguidores não sabe é que o processo até trazer a Tata para casa foi bastante demorado. Não só foi necessário ir buscá-la a outro distrito do país durante o período de confinamento, como também se tornou uma espera de quase um ano. 

“Respeito imenso todos os criadores e gosto daquele empenho mais familiar que alguns têm. Criar os cães em casa, assumir a responsabilidade e tudo mais. Selecionei três e estive em várias filas de espera, mas gostei mais de uns criadores de Aveiro. Um dia até fui lá visitar a Tata quando ela tinha apenas três semanas, era um ratinho super pequenino. Fui buscá-la pouco tempo depois, em abril de 2020. Senti uma ligação com os criadores e isso é super importante”, confessa.

Como já estava habituada a ter animais em casa, uma vez que a mãe era responsável por quatro cães, quando foi morar sozinha era indispensável ter uma companhia de quatro patas. “Como trabalho numa residência sénior em Oeiras, a ideia era encontrar uma raça indicada para terapia e fazer um pouco essa ponte. Cheguei a estar nove meses em fila de espera — parece uma gravidez, mas aconteceu mesmo. A verdade é que nascem poucos bebés e aquela que era para mim não sobreviveu no parto. Entretanto, a Tata nasceu a 20 de fevereiro de 2020 e fui buscá-la em abril. Mostrei à polícia a minha declaração para sair do concelho, fui buscá-la a Aveiro e desde esse momento que anda sempre comigo”, explica Mónica. 

Recentemente, a Cavalier ficou tão famosa que os seus seguidores encheram a caixa de mensagens da página de Instagram com perguntas sobre o charriot usado nas fotografias. O mesmo foi desenhado por Mónica, visto ser apaixonada pela área criativa e ter um “bichinho” para criar coisas novas. Desenhou o formato e o padrasto construiu o primeiro modelo. Depois, houve necessidade de criar uma marca para vender este produto tão requisitado. 

Apesar de se chamar Tata’s Concept, deixou de ser um negócio online direcionado apenas para os donos de animais. Este charriot feito à mão, em madeira, dá perfeitamente para as famílias que têm miúdos pequenos em casa.

“O nosso slogan é ‘happy families, happy pets e happy shops’, o que significa que os nossos produtos são para miúdos, adultos e animais. Não queríamos ter uma marca que se restringisse apenas a um tipo de público e não queríamos produtos que destoassem do resto da decoração. Tal como o animal faz parte da família, queremos que todos os elementos do cão também façam parte de uma casa”, diz.

Quando questionada sobre as diferenças que sente na sua vida depois de ter ficado com a Tata, a cuidadora esclarece que não mudou praticamente nada. Só foi buscá-la sabendo que era capaz de conjugar as várias vertentes da sua vida, incluindo-a também. Não deixou de fazer nada por tê-la sempre consigo, apenas não pensava em procurar restaurantes e hotéis pet-friendly, sendo que agora essa é uma prioridade. Esta é uma raça que considera incrível, mas que “não gosta de estar sozinha”.

“Em casa, tenho mais companhia porque ela adora fazer conchinha e é um animal que deve ser integrado na família. Quando não posso ficar com ela, deixo-a na minha mãe que passa a vida a dar-lhe biscoitos — exatamente o que uma avó faz aos netos. De resto, nada mudou na minha vida”, revela.

O único conselho que tem para aqueles que querem começar uma página como esta é que o façam de forma natural. É necessário não estar sempre a pensar na quantidade de seguidores que se quer alcançar, apenas na genuinidade do conteúdo. Além disso, é importante respeitar e fazer apenas o que os cães permitem. “O bem-estar deles é o principal”, conclui. 

Percorra a galeria e perca-se de amores por esta super fofa…

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

AGENDA PiT