Saúde

Ceguetas está em Gaia e precisa de retirar mandíbula por causa de tumor. Quem o ajuda?

A protetora do patudo, Susana Oliveira, está a pedir o apoio de todos, pois a cirurgia rondará os 750€.
É muito expressivo e meigo.

A vida de um protetor da causa animal é feita de constantes abalos. Conjugar a vida profissional e familiar com a paixão pelos patudos – e com o tempo e os cuidados de que eles precisam – é complexo. E apesar da enorme recompensa que é ver um animal recuperar de feridas físicas e psicológicas, há sobressaltos que surgem quase diariamente perante a necessidade de pagamento das contas veterinárias, desparasitações, vacinas e alimentação. E quando um deles adoece, a fatura sobe ainda mais. É nessa situação que se encontra Susana Oliveira, de Vila Nova de Gaia, que precisa de ajuda para que um dos seus protegidos, o Ceguetas, seja operado.

Susana desdobra-se entre o trabalho, a família e os animais de que cuida – cães e gatos que resgata da rua, em más condições, e que reabilita e coloca para adoção. Outros há que acabam por ficar residentes permanentes pelos cuidados que inspiram e pelo tempo que é preciso dedicar-lhes. É o caso de Jerry, um cão que Susana recebeu há alguns anos de uma amiga que não dispunha das condições de que ele precisava.

A protetora, de 35 anos, que vive na freguesia gaiense de Arcozelo, já muito perto de Espinho, recebeu Jerry de braços abertos. O patudo, cego devido à leishmaniose, precisava de um ambiente seguro e confortável e foi junto de Susana que o encontrou. Mas agora precisa de uma cirurgia que ronda os 750€ e é importante que haja ajudas monetárias para que seja operado.

“Ele precisa de tirar a mandíbula, devido a um tumor, e e estou a precisar de ajudas para a cirurgia”, explica Susana à PiT. “O nome dele era Jerry mas eu chamo-o de Ceguetas, com todo o carinho, e ele dá-se lindamente pelo nome”, conta a protetora com um sorriso.

Susana acolheu-o no inverno de 2019, porque estava cego e não conseguia defender-se dos outros animais com quem partilhava o espaço, ficando muitas vezes ao frio. “Mas claro que ele não ficou só durante o inverno. Foi ficando até hoje e já não sai daqui”, sublinha a protetora.

Ceguetas
É um doce de cão.

Ceguetas tem tumor muito invasivo

“Sempre foi um cãozinho muito feliz, muito desenrascado, sociável e tranquilo. Tem uma alma que transborda bondade e alegria. É um docinho não há quem não goste dele”, diz Susana, que adora o seu Ceguetas.

No entanto, agora está a passar por mais uma provação. “A leishmaniose, para, já deu tréguas e não teve até hoje nenhum sintoma. Mas infelizmente apareceu-lhe um tumor na boca que é super invasivo e de crescimento rápido”, salienta Susana com preocupação.

“A única hipótese é a remoção de parte da mandíbula bilateral. Já fez uma TAC e ainda não tenho o valor da cirurgia, mas rondará os 750€”, aponta. “Eu não consigo desistir dele. Sei que vai ser um pós operatório desafiador, mas ele é um lutador e vai conseguir ultrapassar isto com uma pata às costas”, diz a sua protetora com confiança.

Se puder ajudar, Susana tem partilhado atualizações sobre o seu estado de saúde e na última publicação constam as formas de apoiar, seja através de transferência bancária ou por MBWay. Vamos ajudar o Ceguetas a ter mais uns bons anos de vida feliz?

Percorra a galeria para conhecer melhor este docinho.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT