Saúde

Cuidado com os cocós dos esquilos nos seus passeios por Monsanto

Os excrementos destes animais amorosos podem provocar doenças. Não lhes mexa sem luvas e não deixe o seu cão cheirá-los.
Um simpático roedor.

Para quem gosta de roedores, os esquilos são passam indiferentes. São animais muito inteligentes, expressivos e de hábitos diurnos, que trepam árvores com uma incrível agilidade. O esquilo mais comum é o europeu e possui uma pelagem avermelhada (mas podendo apresentar tons mais escuros), com cauda longa e tufos de pelo nas orelhas. Por cá, podem ser vistos em várias regiões, havendo até uma página no Facebook – O esquilo vermelho em Portugal – dedicada a documentar esses avistamentos.

São animais amorosos e, em Lisboa, é habitual vê-los na zona de Monsanto, onde também muitos tutores levam os seus cães a passear. E é aqui, bem como em qualquer outra zona onde se encontrem, que deve prestar atenção. É que, apesar de serem belíssimos e de ser muito divertido observá-los enquanto comem – adoram avelãs, nozes, pinhas e frutos pequenos –, há cuidados a ter com as suas fezes.

É isso mesmo. Os seus excrementos podem conter salmonella (que pode provocar febre tifoide e gastroenterite, entre outros problemas) e serem também um meio de propagação da leptospirose – doença infeciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira, presente na urina de ratos e outros animais –, da síndrome pulmonar por hantavírus e da doença de Lyme, além de raiva e infestação de pulgas e carraças, pelo que deve ser cuidadoso quando vir fezes de esquilos, adverte a plataforma “Pest Samurai”.

Assim, o contacto com as fezes dos esquilos podem deixá-lo doente – e ao seu cão também. Se houver contacto direto com os seus excrementos ou se for ingerida água ou comida contaminada, correm sérios riscos de poder adoecer.

Como reconhecer os excrementos dos esquilos

E como identificar os excrementos de um esquilo? São bastante parecidos com os dos ratos, mas têm algumas diferenças no tamanho, cor e textura. Os excrementos dos esquilos são maiores e a cor também difere – já que a dos ratos costuma ser quase preta e a dos esquilos é mais pálida. Quanto à forma, as fezes de rato são lisas e oblongas, com extremidades pontiagudas, ao passo que as dos esquilos têm a forma de um barril e são, por norma, mais macias.

O forte odor das fezes do esquilo, conjugado com a urina, leva a que os excrementos comecem a cheirar a amoníaco e a fezes em decomposição.

Por isso, já sabe. Se for passear com o seu cão até Monsanto, ou outra região do país onde haja esquilos, esteja atento se vir excrementos deste bonito roedor – e afaste-se. Mas tenha em mente que não é um animal perigoso, muito pelo contrário. Apenas tem de ter cuidado com os seus cocós.

Quando os esquilos vermelhos “se sentem ameaçados e tentam expulsar alguém de seu território, balançam a cauda horizontalmente e emitem vocalizações que parecem chiados similares aos de outros roedores (como ratinhos). Esquilos não atacam pessoas e seu comportamento de agressividade é através destes sinais”, sublinha um post na página “O esquilo vermelho em Portugal”, onde pode encontrar muitas fotos enviadas por quem avista estes vivazes roedores.

Se quiser ver melhor estes simpáticos amigos, a Green Trekker organiza no próximo dia 18 de dezembro, domingo, uma caminhada matinal para seguir as pegadas dos esquilos que habitam o Parque Florestal de Monsanto.

Percorra a galeria para saber mais sobre o esquilo vermelho e conhecer algumas zonas do país onde pode encontrá-lo.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->