Saúde

Devemos ou não escovar os dentes aos nossos gatos? Sim, mas com cuidados extra

Apenas 5% dos tutores cuidam da higiene oral dos seus felinos. E a negligência desta prática é prejudicial para a saúde deles.
Pode não ser fácil, mas é uma prática essencial.

É sabido que os gatos não precisam de tomar banho. Lavam-se por eles próprios, através da língua. Mas se essa mesma língua serve de esfregão, o que será da higiene oral deles? Afinal, devemos ou não lavar-lhes os dentes diariamente?

Mesmo os tutores mais exemplares parecem negligenciar esta prática. Mikel Delgado, uma especialista em comportamento felino, brinca todos os dias pelo menos meia hora com os seus três gatos, Ruby, Coriander, e Professor Scribbles. Treinou-os, até, para a eventualidade de virem a tomar medicamentos, e fê-lo colocando comprimidos inócuos em cápsulas gelatinosas. Faz tudo pelos seus gatos — menos lavar-lhes os dentes.

De acordo com estatísticas informais, apenas 5% dos tutores tratam da higiene oral dos seus gatos, uma impressão confirmada pelos médicos veterinários. “Fico sempre bastante surpreendida quando alguém diz que lava os dentes aos seus gatos”, confessa, em declarações ao The Atlantic, Anson Tsugawa, veterinária na Califórnia, Estados Unidos da América. Aliás, quando Steve Valeika, veterinário na Carolina do Norte, EUA, recomenda essa prática aos tutores dos seus pacientes, a reação é sempre a mesma: “Olham para mim como se tivesse enlouquecido”, revela.

A verdade é que as demais espécies de felinos, dos leões aos linces, não recorrem a escova e pasta dentífrica após uma caçada. Porém, as dietas e os estilos de vida são diferentes entre felinos selvagens e domésticos — e no caso dos últimos a probabilidade de desenvolverem bactérias nas gengivas aumenta substancialmente a partir dos quatro anos de idade, segundo apontam estudos nesta matéria. As complicações a partir da boca podem, até, espalhar-se para o resto do corpo. Como acontece com os humanos, portanto.

Uma rotina a implementar

Assim, as práticas recomendadas pelos especialistas (expressão conhecida dos anúncios das pastas dentífricas) passam pela escovagem diária, pelo menos durante um minuto, limpando cada dente à vezBasta interromper esta rotina por dois ou três dias para o tártaro se acumular definitivamente na dentição. São mais parecidos connosco do que pensávamos…

Agora, o problema começa exatamente na hora de os lavar. Os gatos não são um animal especialmente recetivo ao toque em qualquer zona do corpo, a começar pela boca. Ao contrário dos cães, que estão mais habituados ao contacto dos donos no focinho, os gatos são pouco permissivos nesse ponto em particular. Mas, como tudo, é uma questão de hábito e, sobretudo, persistência. Até porque, nos próprios humanos, a higiene oral só passou a fazer parte da rotina diária da maioria da população depois da II Guerra Mundial. Já nos animais, essa nem era uma questão há 30 anos, segundo aponta Santiago Peralta, dentista veterinário na Universidade de Cornell, Nova Iorque.

Além disso, a substituição da lavagem oral por produtos como óleo de cobra ou de côco, sprays, gel, brinquedos para a boca, ou aditivos de água, não são eficazes ao nível da higiene — quanto muito, ajudam a branquear os dentes.

As alternativas que facilitam este processo delicado passam por pastas dentífricas com sabores agradáveis aos gatos, escovas de dentes proporcionais às dentições destes felinos, ou esfregões de silicone que encaixam nos dedos e permitam a escovagem mais cómoda. Através destes meios, e com paciência de felino (aqui, bem servem de exemplo), a insistência diária — sem intrusão — pode dar resultados ao fim de algumas semanas ou meses. Dia a dia, passo a passo, dente a dente. Para que a relação de confiança entre gato e dono não se quebre.

Carregue na galeria e fique a par de algumas dicas e utensílios que o vão ajudar a lavar os dentes do seu gato.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT

-->