Saúde

E se pudéssemos prolongar a vida dos nossos cães? Cientistas dos EUA estão a tentar

Medicamento, que poderá ser aprovado em 2026, prolongará a vida dos cães grandes entre 20 e 30%.
O imponente Terra Nova.

A perda de um animal de companhia que, além de pet, é também um membro da família, é sempre muito dura. E apesar de a morte ser inevitável, em breve poderá surgir uma forma de adiar mais algum tempo esse momento no que diz respeito aos cães de grande porte. Isto porque uma empresa norte-americana está a desenvolver um medicamento com vista a prolongar a vida dos patudos grandalhões.

Chama-se Loyal e é uma biotecnológica com sede em São Francisco, nos Estados Unidos. O medicamento que os seus investigadores têm estado a desenvolver, cuja primeira versão recebeu o nome de LOY-001, visa prolongar a vida útil e a saúde de cães grandes e gigantes – o que é uma excelente notícia caso venha a ser aprovado pelas autoridades competentes.

E em que consiste? “Trata-se de uma enzima que repara os telómeros, que são as pontas dos cromossomas”, explica a publicação “FayerWayer”.”À medida que os cães envelhecem, os telómeros vão se encurtando, o que pode levar à acumulação de danos no DNA e à morte celular”.

O LOY-001 é administrado através de injeção subcutânea a cada três ou seis meses e os estudos já realizados demonstraram que o medicamento pode prolongar em 20 a 30 por cento a expectativa de vida de cães grandes e gigantes.

Cães grandes e com mais idade serão bons candidatos

Os cães com mais de sete anos de idade e que pesem mais de 18 quilos poderão ser elegíveis para receberem a vacina LOY-001 quando esta estiver pronta.

A vacina da Loyal precisa ainda da aprovação da Autoridade para os Alimentos e Medicamentos dos EUA – estando ainda em fase de testagem para se perceber quais os potenciais efeitos secundários. Só depois dessa autorização é que poderá começar a ser comercializado e a empresa acredita que estará em condições de poder solicitar esse aval em 2026.

Os cães de raças grandes e gigantes vivem, habitualmente, menos anos do que os patudos de porte mais pequeno. Patudos de raças como o Grand Danois (também conhecido como Dogue Alemão) e Terra Nova só costumam viver entre sete a oito anos, em média – uma grande diferença face aos 20 anos de idade média do Chihuahua e do Caniche Anão.

O principal fator que contribui para esta discrepância está nos elevados níveis da hormona responsável pelo crescimento, a IGF-1. O objetivo do LOY-001 da Loyal é, por isso, reduzir a IGF-1 em cães adultos – ajudando assim a uma maior longevidade.

Um dos grandes problemas nos cães grandes é o da torção gástrica – podendo ser fatal se o patudo não for socorrido a tempo. Percorra a galeria para saber algumas informações importantes sobre a torção do estômago.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT