Saúde

Temperaturas estão a subir. Cuidado com os golpes de calor

Seja em casa ou na rua, os nossos animais de companhia podem sofrer de uma insolação e ficar em risco de vida. Esteja atento.
Se apanhar sol, que haja água.

O tempo mais quente parece ter vindo para ficar. Neste fim de semana, os termómetros chegam aos 31ºC em várias regiões do pais e a tendência generalizada é a de aproveitar o bom tempo e sair. Mas quem o faz com os seus animais deve ter cuidados redobrados, porque um golpe de calor é fatal – e pode acontecer num instante.

Não é sequer preciso sair com o seu animal para que ele esteja sujeito a um golpe de calor. Meia hora fechado dentro de um carro, passear sobre o asfalto quente ou ficar diretamente exposto ao sol, em casa, são alguns dos muitos perigos à espreita. Por isso, há que ter todo o cuidado.

No caso dos cães, o facto de não terem glândulas sudoríparas em todo o corpo – responsáveis pelo suor, que, por sua vez, permite o arrefecimento – leva a que seja apenas através da respiração e das almofadas plantares que esses animais libertam o calor, mas em casos extremos isso pode não ser suficiente. Se vir que o seu patudo está com as almofadas das patas molhadas e a respiração ofegante, há que lhe baixar a temperatura corporal, mas isso deve ser feito de forma gradual – não lhe dê um banho de água fria. Mas, acima de tudo, se desconfiar que o seu animal sofreu um golpe de calor, além de tentar baixar-lhe a temperatura deve levá-lo a um médico veterinário, onde será devidamente cuidado.

Não se esqueça que não é só em casa que deve ter cuidados. Na rua também há que estar especialmente atento, não o deixando estar muito tempo exposto ao sol. E não o leve a passear nas horas de maior calor, porque o asfalto quente pode queimar-lhes as almofadinhas das patas – mas se tiver mesmo de o fazer, há calçado apropriado que eles podem usar.

Por outro lado, muitos tutores pensam que se deixarem o seu cão dentro do carro durante meia hora ou uma hora, nada acontecerá. Estão errados. Segundo experiências realizadas, a temperatura dentro um carro estacionado durante meia hora, num típico dia de verão a rondar os 20 e poucos graus Celsius, dispara rapidamente. Mesmo com as janelas semiabertas, ao fim de 15 minutos a temperatura já terá subido para cerca de 43ºC, chegando a perto dos 50ºC passada meia hora – o que é fatal para a maioria dos animais.

Golpes de calor também nos animais de porte pequeno

No caso dos animais de porte pequeno, há que ter atenção redobrada. A médica veterinária Mariana Bernardino, responsável pela área de medicina de exóticos no Hospital Alma Veterinária, alerta para os cuidados que os tutores de coelhos, porquinhos da Índia, furões ou chinchilas e até mesmo aves devem ter quando os termómetros começam a subir.

“Há sinais de alerta de um golpe de calor que os tutores de mamíferos exóticos podem e devem estar atentos: arfar/respiração ofegante, tremores, prostração, falta de coordenação, falta de apetite, excesso de salivação ou quando eles têm a zona em redor do nariz molhada“, explica a médica veterinária à PiT.

Mariana Bernardino  alerta também para a necessidade de proteger as aves de temperaturas muito elevadas. “Os sinais mais frequentes de desconforto ou mesmo perigo num caso de golpe de calor nas aves são: passar a maior parte do tempo com o bico aberto e as asas afastadas do corpo; encontrar-se no findo do poleiro, sem reação, sem apetite e com dificuldades respiratórias”.

Por isso, já sabe: todo o cuidado é pouco. Crie as condições necessárias para que o seu cão não seja alvo de um golpe de calor – não o deixe fechado no carro ou noutros ambientes sem circulação de ar, tenha sempre água fresca disponível, bem como lugares à sombra. Percorra a galeria para saber quais os principais cuidados a ter – com os cães e outros animais – nesta época de mais calor.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA PiT